sexta-feira, 11 de julho de 2008

Árvore gigante e solitária

Há muito,muito tempo
despertara ,dia após dia
lentamente...
atravês de gerações inteiras


Gotinhas de Primavera resvalam
com prazer de se ferirem
na ramagem densa da árvore centenária

Os olhos verdes e húmidos
desdobram-se pelo horizonte além
desmaiam sobre o mar

Paira uma suave quietude...

E a luz pálida do sol
pestaneja preguiçosa

À distância um grupo de arbustos
sussurram num murmúrio doce e infantil

O voo incerto das gaivotas
desenha linhas verticais ,horizontais e oblíquas...

A velha árvore

escuta
sente
e permanece em silêncio

Suporta as ventanias infernais
as tempestades ruidosas

A sombra bendita consola
nos dias escaldantes

Consente nas brincadeiras
traquinas das crianças

Escuta confidências
e presencia carícias de amor
trocadas por jovens adolescentes apaixonados

Acolhe e afaga o coração dos sem esperança...
Das mulheres viúvas inconsoláveis
Dos marginalizados e sem condição

Deleita-se quando se sentam a seus pés
saboreando os frutos luzidios e frescos que fecundou

O que mais lhe dói...
bem lá no fundo
é ser :

NEGLIGENCIADA
MUITILADA
MAGOADA

Por
Ignorância?
Estupidez?
Inocência?
Petulância?
Ganância?

Os sinos da capela repicam com veemência
as andorinhas escutadeiras
regressam
de viagens longínquas aos ziguezagues

As flores rompem no seu despertar
Uma cor juvenil cobre o planeta...

É a Primavera a acordar dentro de cada um
O eterno retorno à fecundidade!

Um pássaro cantarolando
num regorgeio
poisa num braço da árvore gigante
e segreda novidades e outros mundos distantes...
Desceve-lhe tudo minuciosamente
entusiasmado
como se fosse uma confissão

A árvore gigante e solitária
sente a seiva quente percorrer as veias
É a amálgama do desespero e da euforia
O desejo castrado do que jamais vislumbrou

Apazigua imediatamente a sede
tranquiliza-se
porque na aldeia
todos estão felizes

Os pinheiros esguedelhados e nostálgicos
agradecem numa prece religiosa o sabor da vida!

Publicado

7 comentários:

Fernanda disse...

Bonito este poema...
As árvores,...as árvores...vivem muitas vidas,...muitas histórias ouvem,...muitas mágoas escondem,...muitos amores protejem e guardam...lollol
Quantos beijos já se deram,...na sombra de uma árvore???...lol

Gostei

Verónica disse...

Gostei do teu comentário! lol

mundo azul disse...

As árvores devem ser respeitadas, como representantes da própria vida!
Muito lindo o seu poema...
Beijos de luz e um domingo feliz!!!

Verónica disse...

Concordo plenamente consigo mundo azul!
Beijos um domingo tão ou mais feliz que o meu!

Parapeito disse...

Gostei de descansar e ler na sombra desta maravilhosa árvore :)

Que hajam sempre nos dias mto quentes....sombras amigas ***

Verónica disse...

Que os todos os homens nos ouçam, e parem de infernizar a vida das florestas e Respeitem o planeta que todos habitamos que é o bem mais precioso de Deus, para que possamos deixá-lo como herança aos nossos filhos.
Parapeito,a árvore agradece!:-)

O2 disse...

Olha, sabes que mais? Assim não anima! Gosto mesmo é da interpretação da poesia, mesmo que não acerte em nada que diga, mesmo que diga total disparates!

:)

e pronto, ta tudo dito.

beijao!