quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Teia

Cerro as pálpebras cansadas
Os cavalos puxam aranhas de trenó
Sobem para a caverna do escuro
para uma noite sem estrelas
...vida de passos lentos.

Publicado

6 comentários:

Fernanda disse...

Vida de passos timidos...
À espera de alentos...
Doces sonhos deslizando, em trenós
Puxados pelo vento...


Um bom fim de semana

Verónica disse...

Gostei muito dessa rima!
Bom fi de semana

Paradoxos disse...

em tão poucas palavras, tanta tanta vida e conteúdo... beleza!!

abraços fraternos

Verónica disse...

Viva paradoxos! apreciei a tua intervenção
abraços fraternos

Parapeito disse...

As estrelas estão lá sempre....mesmo quando as não vimos :)

Verónica disse...

É verdade parapeito, as estrelas estão sempre lá, basta afastar a teia!Lol