quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Eu

Sou a fusão de rectas e planos
sombras distantes
Amores desperdiçados
manhãs nunca nascidas
Ausente das horas invisíveis
Sonho de papel vagueando no espaço
Um ponto que intercepta
a recta num poente rubro
Esmoreço nas curvas do meu corpo
Fui menina acabrunhada
sem eco sem nada.

Publicado

7 comentários:

em azul disse...

Perdas... tantas perdas se podem extrair das tuas bonitas palavras!

Deixo um beijo
em azul

Parapeito disse...

:))
Ao ler fusão...nao sei porquê...e desculpa se estou enganada...veio ao meu pensamento...fusão nuclear...é assim mais ou menos que te imagino :))
(tenho uma imaginação desgraçada)

Gostei deste teu "EU"

Verónica disse...

Perdas,só perdas...enfim ,uns mais que outros!
Beijo
Essa deu-me para rir,eu ser uma fusão nuclear,uma explosão atómica!
Gostei dessa tua imaginação! não é nada desgraçada... acho que sei porque me imaginas desse jeito. Eu só falo de desgraças!
Lol ,gostei mesmo!
Beijo

Parapeito disse...

na na...nao sabes nao :P...nao é por só falares de desgraças...nao acho isso...é mesmo como dizer...vulcão! furacão! agora fusão...uma fusão da natureza... :)@

****

Verónica disse...

Esse teu comentário está o máximo.Eu estava distraída
Mas rima tudo..lol
e ligaste as palavras; vulcão,furacão e fusão!
:-)@
Gostei!

Fernanda disse...

Consegues, transformar a mais profunda tristeza,...numa doce nostálgia de tempos perdidos, de amores escondidos,...de desejos desperdiçados...
E bastava apenas,...uma mão,...um olhar,...uma palavra,...para tudo ter sido diferente.

Beijo grande

Verónica disse...

Ui Fernanda!Reconheces as pegadas no caminho...
Bom fim de semana