sexta-feira, 10 de outubro de 2008

O casacão de infância

Estou aqui a vida inteira...
Durante anos fui o teu sonho
Agora não tenho eira nem beira
Mas gosto do teu olhar risonho

Menino, os meus botões foram teus brinquedos
Porque me deixas aqui tão esquecido?
Em criança contaste-me tantos segredos...
Hoje assemelho-me a um soldado em sinal de sentido!

Ó Menino quero apenas um desejo pedir
Coloca na minha lapela uma flor
O belo aroma irá fluir...
O que para mim será um gesto de Amor!

Fui uma prenda especial da vida
Alguém quis ver sua missão cumprida
E a minha ilusão não ficou perdida

Quantos anos faltam para a minha morte?!
Só te recordas de mim quando rumas p`ra norte
Se consigo um carinho teu é uma sorte!

Recuso-me permanecer assim a todo o momento
Só por efémeros segundos moro em teu pensamento
Menino, aos meus fios de lã,um pouco de ternura dá !

Publicado

6 comentários:

Smile disse...

Que lindo poema.
… ó quanto dói quando nos falta carinho… amor… quando se esquecem de nós… nosso coração fica desolado; e quando por breves momentos se lembram de nós a nossa alma e o nosso coração volta a florir…
Por vezes penso em alguns idosos abandonados em lares à espera do seu dia… um dia poderei ser eu… e nunca devemos nem podemos esquecer isso.
Beijinhos voadores

Verónica disse...

É uma realidade.A dos lares.Uma realidade crua e nua.
Não podemos nem devemos esquecer quem nos deu a vida.
Não importa se um dia eu for para um lar.
O problema não é ir para um lar mas deixá-los lá.Essa palavra que mencionaste "ABANDONO". Odeio essa palavra.
É preciso que os mais velhos tenham um fim de vida digno,independentemente do que fizeram em vida.
Um carinho,um afago faz toda a diferença.
Eu sei disso. A minha mãe também,Felizmente.
beijinhos voadores

Fernanda disse...

Outro, poema lindissimo.
A falta de afecto e carinho,... a falta de sentimento e sensibilidade
durante a nossa vida,...deve ser a maior das frustações,...deve ser a maior das solidões.
Não gostava nada de um dia me sentir assim.
Mas nunca se sabe...

Verónica disse...

Estar sozinho à espera de uma migalha é muito frustrante. Às vezes é melhor não esperar nada.

Parapeito disse...

Não se devia de facto esquecer quem nos aninhou...quem nos aqueceu..quem nos protegeu das intempéries..da vida...mas cada vez mais isso acontece...cada vez mais...as pessoas se descartam dos seus velhinhos como se fossem casacões puidos e sem valor...

Verónica disse...

Infelizmente isso é verdade. Não devia ser assim! Nunca!
também sei de relatos em que os pais tratam muito mal os filhos, coisas que não lembram ao diabo!Como poderá esta gente um dia mais tarde perdoar e não ripostar na mesma moeda?
Porque há pais que se esquecem quando estão no vigor da juventude, que um dia a força vai lhes faltar, e, quem vai ampará-los na velhice são os filhos!
Quem semeia colhe!