sábado, 4 de outubro de 2008

Psico...

Fui feto embrulhado em líquido amniótico
Revelei indistinta sexualidade
Num pestanejar aflito
desabrochei para a vida
Encontrei o mundo às cegas
Lutei no gelo
esbarrando contra muros intransponíveis
Passei à margem das noites e dos dias
Não vi as noites ensopadas de sol
Nem os dias pontilhados de estrelas
Anos de infinita inglória
de irremediável apatia
espiralada ,espremida
em caminhos de ferro
Um combóio infernal
por mim fora...
A anos de distância
dei de caras com uma luz
Uma luz inteligente e salvadora
Primeiro desconfiei
Hesitei
Mais tarde deu-se o "enlace" terapêutico
A luz trouxe-me o verdadeiro sentido da vida
Conduziu-me para fora do túnel
A viagem foi inversa
ao sentido dos ponteiros do relógio
Às vezes é tudo tão intenso
outras tão calmo...
É preciso que assim seja
Cada palavra
Cada gesto
Cada sorriso
É gota de água que sacia a sede
a um deserto frio e vazio
A luz explode em novos conceitos
Novas visões
Eu viajo até ao fim de mim
num cavalo alado
O panorama atormenta-me
Luto contra areias movediças
Murmúrios dolorosos
Gritos longínquos
Zumbidos espevitados de abelhas
Rugidos de leões
Aves de rapina...
As cobras apertam-me os intestinos
esburacam-me o cérebro
Os caranguejos rompem-me os olhos
Os polvos estrangulam-me
a garganta
com os tentáculos gigantes e poderosos
Há batalhas que eu venço
É grande o meu desafio
Quero
Preciso
Encontrar a criança
Ela está lá
num choro recolhido
Enclausurada na infância
Prisioneira de monstros e fantasmas

O papel da luz é crucial
Afaga a criança
Trá-la lentamente para o agora
Fala-lhe brandamente
da pluralidade de significados que
todas as coisas podem agora possuir
Mostra-lhe as cores
da verdadeira liberdade.

E eu renovada prossigo
viagem na busca do essencial

Este poema é para todos aqueles que procuram uma luz

Publicado

6 comentários:

Fernanda disse...

"...
Eu viajo até ao fim de mim
num cavalo alado
O panorama atormenta-me
Luto contra areias movediças
Murmúrios dolorosos
Gritos longíquos
..."

Ás vezes leio de ti,...coisas tão profundas,...que chego a sentir que de ires tão a fundo da vida, consegues senti-la como se tivesses uma lupa e descobrisses em cada canto, os tormentos e as lutas interiores que assolam o corpo,...como tempestades crueis e arrasadoras de vida.

Este poema,...é outro que fica na memória.
Não duvides,...que é um dos melhores que já li,...escrito por ti.

E acredita também,..que podes ser uma luz,...para ti,...para mim e para quem te conhece ou venha a conhecer.

...:)))beijo

Verónica disse...

O teu comentário emocionou-me.Não preciso dizer mais nada.
Beijo.

Parapeito disse...

...Algo me diz...que tu és luz...
(e eu raramente me engano)
Gostei bastante de te ler...(é tb uma forma de voar ) :)******

Verónica disse...

Assim fico sem saber o que responder porque mais uma vez emocionei-me.

Smile disse...

Depois de tudo o que já foi dito que mais posso eu acrescentar… senão concordar.
És como uma estrela que ilumina a escuridão.
Bjs voadores

Verónica disse...

Quem me dera smile.
Quanto mais ilumino mais escuro fica.
Bjs voadores