sexta-feira, 20 de março de 2009

"Carregar o passado" II

"A incapacidade, ou melhor,a relutância de a mente humana abandonar o passado é maravilhosamente ilustrada na história de dois monges Zen.
Tanzan e Ekido, que caminhavam ao longo de uma estrada em terra batida, que tinha ficado completamente enlameada depois de umas fortes chuvadas. Perto de uma aldeia , depararam-se com uma rapariga que queria atravessar a estrada, mas a lama era tanta que teria arruinado o quimono de seda que trazia vestido.
Tanzan prontificou-se a pegar nela ao colo e transportou-a para o outro lado.
Os monges prosseguiram o seu caminho em silêncio. Cinco horas mais tarde, quando se aproximavam do templo onde estavam instalados, Ekido não se conseguiu conter mais.
" Porque levaste aquela rapariga ao colo para o outro lado da estrada ?"
perguntou ele. " Os monges não devem fazer esse tipo de coisas."
" Eu deixei a rapariga lá há várias horas", respondeu Tanzan. "Ainda estás com ela ao colo?"
Agora imagine como seria a vida de alguém que é sempre como Ekido, incapaz de abandonar internamente as situações, ou reticente em fazê-lo, acumulando cada vez mais "tralha " dentro de si, e poderá ter uma ideia de como é a vida para a maioria das pessoas no nosso planeta. Que pesado fardo do passado carregam nas suas mentes!
O passado continua vivo dentro de nós através das memórias, mas as memórias em si não constituem um problema. Na realidade , é através delas que aprendemos com o passado e com os erros do passado. Só quando as memórias, ou seja, os pensamentos sobre o passado nos dominam por completo é que se tranformam num fardo, se tornam problemáticas e passam a fazer parte da nossa noção de identidade. A nossa personalidade, que é condicionada pelo passado, transforma-se então em prisão. As nossas memórias estão imbuídas de uma noção de identidade , e a nossa história converte-se na pessoa que julgamos ser. Este "pequeno eu" é uma ilusão que encobre a nossa verdadeira identidade, a Presença intemporal e informe.
Contudo, a nossa história não consiste apenas na memória emocional- antigas emoções que são permanentemente revividas. Como no caso do monge,que carregou o fardo do seu ressentimento durante cinco horas, alimentando-o com os seus pensamentos, a maior parte das pessoas carrega uma enorme quantidade de bagagem desnecessária, tanto mental como emocional, ao longo da sua vida. As pessoas limitam-se a si próprias através de mágoas , arrependimentos, hostilidade, culpa. O seu pensamento emocional tornou-se a sua identidade e, por isso, ficam presas às antigas emoções, visto que estas fortalecem a sua identidade.
Devido à tendência humana para perpetuar antigas emoções, quase todas as pessoas carregam no seu campo energético uma acumulação de dor emocional antiga, a que dou o nome de "corpo de dor".
Porém, podemos parar de acrescentar coisas ao corpo de dor que já possuímos. Podemos aprender a quebrar o hábito de acumular e perpetuar antigas emoções batendo as nossas asas, metaforicamente falando, e abstendo-se de viver mentalmente no passado, quer algo se tenha passado ontem ou há trinta anos. Podemos aprender a não manter as situações ou os acontecimentos vivos nas nossas mentes, mas a voltar a focar a nossa atenção continuamente no momento presente primitivo e intemporal, em vez de estarmos presos aos filmes que elaboramos mentalmente. Então,é a nossa Presença que se torna identidade, em vez dos nossos pensamentos e emoções.
Nada do que possa ter acontecido no passado nos impede de estarmos presentes agora; e se o passado não nos pode impedir de estarmos presentes agora, que poder tem ele?"

8 comentários:

Fernanda disse...

O passado tem o poder que lhe quisermos dar.

Concordo em absoluto com o texto.
O passado não tem que ser um fardo, antes pelo contrário o nosso passado é o reflexo do nosso presente.
Não devemos nunca, e tal como diz o texto :
"Devido à tendência humana para perpetuar antigas emoções, quase todas as pessoas carregam no seu campo energético uma acumulação de dor emocional antiga, a que dou o nome de "corpo de dor".Porém, podemos parar de acrescentar coisas ao corpo de dor que já possuimos"
Realmente as memórias, não são problema, o problema é fazer das memórias um impedimento para sermos felizes e olharmos o presente,...o nosso e dos outros.
Não podemos utilizar antigas emoções, principalmente aquelas que nos magoaram, para justificarmos o presente, porque isso impede-nos de viver o PRESENTE.
Irmos buscar imagens e emoções antigas que nos causaram dor e sofrimento,...é caminho inteiro para nos impedir de seguir em frente e usufruirmos do momento.

Como sempre, gostei bastante.
É, mesmo Zen....lol
Muito budista,...muito leve e bastante sensato...
Gostei!

Beijo

Pedrasnuas disse...

É um texto carregado de verdades que nós sabemos serem improváveis de realizar mas não impossíveis...
É mesmo Zen, muito budista e muito interessante...
Que bom que o leste!!!

Beijo

simplesmenteeu disse...

Vou pensar que estou a encontrar, aqui contigo, palavras que me ajudem a reflectir e a organizar...
Algumas verdades que sabemos, sem as convertermos em palavras ou em acções.
Se nada é por acaso... é tempo de pensar...
...porque talvez o sentido do voo... não esteja a reflectir o certo...
Vou tentar clarear ideias e reencontrar o equilibrio...
Noite feliz.
Beijo

Pedrasnuas disse...

É bom encontrar uma luz...tenho a "casa" aberta,entra sempre que te apetecer e te fizer sentido...

Um sábado radioso

Ana Oliveira disse...

Olá

Chegada aqui pelo Sentido do Voo e pela Maria Clarinda, encontrei a surpresa boa de uma mensagem pertinente e muito importante.
Realmente o passado faz de nós o que somos hoje, mas compete-nos gerir o que aprendemos com ele. Aprender a lição do "livro" e não carregá-lo connosco o resto da vida ou corremos o risco de, de tão carregadas, não progredir no caminho.

Obrigada por este texto.

Um beijo

Ana

Pedrasnuas disse...

Ainda bem que o voo a trouxe cá.Bem vinda Ana! A "casa" é sua!!!

Apreciei muito o seu comentário...

Um beijo

clic disse...

Só agora tive tempo para ler o texto com atenção.
Ainda bem que o fiz - gostei da reflexão que se nos impõe! Não é fácil fazê-lo mas é possível tentar sempre!

Pedrasnuas disse...

Gostei que tivesse roubado um bocadinho do teu tempo para ler o texto...é muito bom.

Obrigada. Leva se faz favor um pouco dele contigo e que não sejam meras palavras com sentido lógico e profundo, mas que te sirvam para aplicares na tua vida tal como eu tento fazer com a minha!
(Sem querer entrar em filosofias baratas que não
passam de meras tretas)