sábado, 19 de setembro de 2009

Às vezes...

ELAS SOLTAM AS AMARRAS QUANDO MENOS ESTOU PREPARADA...
FICAM VISÍVEIS NAS MINHAS MÃOS
E EU DEIXO-AS ESCORREGAR
UMA
A
UMA
QUE TOLICE...
QUE DESPERDÍCIO...
UMA PENA
SEM TINTA
SEM BICO
SEM PAPEL
DO BRANCO MAIS PURO...
SUJO
PELAS MINHAS MÃOS
VAZIAS ...
UM ESPAÇO
ESBURACADO
POR ONDE SE PERDEM
AS MOEDAS
DA INSPIRAÇÃO...

7 comentários:

Judite (Dite) disse...

Não vi nada perdido!
Antes pelo contrário, vi uma mão que escreveu o que lhe veio ao pensamento!
Isto está bem visível aos olhos de todos.
Um beijo,
Judite

ADiniz disse...

Deixa eu te dar a briasa da inspiração,
divido tintas que trago comigo
não possuo papeis
mas tenho telas em branco
ainda a espera de um novo tema
então venha
vamos juntas pintar esta nova estação

Pedras estamos sempre a trilhar caminhos,só decidimos se só ou bem acompanhada.Então?!
Sou mais da segunda.
Bjinhos. Kokhmahá.

VANUZA PANTALEÃO disse...

Quantos momentos nos passam desapercebidos!
Quantas moedas já rolaram entre nossos dedos!
Nada a fazer...
As nuvens também passam...

Ana Oliveira disse...

As tuas mãos nunca estão vazias se delas pingam palavras como estas, que lamentando-se de si, ainda dizem mais do que fica por dizer.

Um beijo

Ana

Chris disse...

Quando abrimos as mãos devolvemos ao espaço essa liberdade que a criatividada pede...
Um beijo
Chris

Pedrasnuas disse...

É BOM SABER QUE ALGUÉM ME LÊ...QUE ACOMPANHA AS PALAVRAS QUE VOU CONJUGANDO POR AQUI...POETA NÃO SOU...SOU APRENDIZ DE POETA

UM ABRAÇO SENTIDO AOS AMIGOS...PELO CARINHO BEM MERECEM

Nilson Barcelli disse...

Se já escreves tão bem, o que seria então a tua escrita se não perdesses algumas moedas da inspiração...
Gostei, querida amiga.
Bom fim de semana, beijo.