domingo, 25 de abril de 2010

O rouxinol

Voz rouca
boquinha vermelha
um hino
um pedido
um gemido:
-Vê, olha ...
escuta...quero cantar!!!
O rouxinol só pede atenção
a roseira brava não está atenta
anda muito atarefada...
ele afina...afina
Desesperado
IMPLORA
Cede-me uma fatia do teu tempo...por favor:
- Queria que me visses...que me aplaudisses...
que te orgulhasses de mim...
preciso tanto da tua aceitação!!!
A roseira Indisposta:
- Lamento rouxinol...não consigo te ouvir
porque sou triste
sou ácida
sou casada
sou mal amada ...
O tempo é culpado de toda esta amargura...
-O teu marido?!
Sim, o tempo ausente
o tempo perdido
o tempo frio
o tempo que deixou de o ser...
Por isso não me peças nada que eu não possa
prometer...
- Mas ...minha mãe a quem hei-de eu pedir?

4 comentários:

JPD disse...

Belíssimo poema.

Bjs

Tatiana disse...

Nossa... Que forte e ao mesmo tempo belo poema.
Impossível ler e não ficar emocionada!

Um beijo carinhoso

Ana disse...

Dizes tudo, não é? Por vezes quem paga são mesmo eles, os rouxinóis.
Bj

Parapeito disse...

Canta rouxinol canta :)****
Brisas mansas para ti bonito rouxinol :)***