segunda-feira, 26 de julho de 2010

Quem diria...



Sou muito amigo,sempre muito amigo do copinho cheio,não dispenso os cigarrinhos e mais ainda ...as mulheres...não se riam...é verdade...mulheres, sempre muitas mulheres...Quando Deus criou o mundo...fez a coisa muito bem feita...bendito barro...de um lado o homem e do outro a mulher...Há lá coisa melhor para um homem do que ter uma mulher ou ...várias mulheres para si a vida toda?!...

Destina-se à Blogagem Colectiva do Espaço Aberto - Tema: "Sempre Amigos"

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Nesta ânsia...

HOJE
NÃO ONTEM
TALVEZ AMANHÃ
SABEREI...
O SALGADO DAS LÁGRIMAS
QUE CULTIVEI
NO CANTEIRO
E AS FLORES HÃO-DE GERMINAR
E TU SERÁS UMA PAPOILA
DE OLHOS VARDES
E CABELOS VIOLETA
E PELE LARANJA
E SORRISO FÁCIL...
E RISO DESPRENDIDO
NO ALVORECER
SUBMERSO
EM DESEJO SACIADO

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Da Insana dos Gritos e Sussurros



Nem sei que dizer...mas vou passar por cima de algumas regras...lamento

O MEU SINCERO RECONHECIMENTO PELO PRÉMIO

NOMEIO:

JPD

MANUELA

EM@

MARY BROWN

FERNANDA

LILÁS

HELGA

VANUZA

ANA OLIVEIRA E COSTA

ANA DINIZ

Barbara

Valéria Sorohan

E PARA TODOS OS OUTROS QUE NÃO ESQUEÇO MAS SÓ É PERMITIDO NOMEAR 10

GRATA SEMPRE A QUEM ME LÊ

COM CARINHO E AMIZADE

PN

sexta-feira, 9 de julho de 2010

sábado, 3 de julho de 2010

Clarisse disparou

Clarisse sentada à mesa escrevia uma carta
falava ao amante
e em versos de amor gritava...
Uma rajada de vento soprou
a janela abriu-se
a cortina enfunou
A rapariga apressou-se e a janela cerrou...
e à escrivaninha voltou ...
- Bom dia meu amor
A voz num tom calmo cumprimentou
Clarisse sobressaltou...
e depois receosa em torno...olhou...olhou
e das sombras gigantes do quarto
alguém assomou...
A chama da vela hirta no candelabro
bruxuleou
Os olhos da jovem faiscaram de pavor:
- Que fazes aqui se meu marido te matou?
- As saudades foram tais...
- E as minhas meu querido David foram brutais...
- Vim do outro mundo ...pois o meu paraíso incendiou...
- Que quereis dizer com isso?
- Ardo por vós senhora...e não encontro paz...
- Como vos compreendo...
- E vosso marido nao pagou pelo que me fez...
- Roubou-lhe a mulher...a ditosa senhora ...em que ele me tornou...
- Será razão forte...e vós senhora alguma vez de verdade me amou?
- Amei e amo muito...mas o meu marido é nobre... e em senhora de respeito me transformou...e a minha vida com esses benefícios também ganhou...
- E comigo senhora?
- Contigo fui boa amante mas nunca disso passou...
- Pois , sei que sou pobre...
- Pobre ,desempregado e sem garantias de futuro...
- Mas senhora ...vamos continuar assim?!
- Não David .... não vamos continuar assim,espero um filho de meu marido, assim vou assegurar a continuação de sangue puro
- Então não devo voltar mais aqui?!
- Não será prudente ser visitada por uma alma que meu marido tanto odiou...
- Vós falais como se fosséis uma senhora ditosa...
- Aos olhos de todos sou...
- Sim porque vosso marido julgou que de violação se tratou...
- E vai continuar a pensar assim...
- Até quando Clarisse?
- Até eu matá-lo como ele fez a si...
- Como senhora, que loucura...irás presa...
- Não sou tola David, terá sido assalto...acontece depois da casa ter estado acesa...
A porta abriu-se de rompante ...
- Senhor meu marido?!
- Clarisse, que história é essa?!
- Que é isso...uma arma?!
- Falais com ele,onde está ?
- Dai-me essa arma, vais matá-lo pela segunda vez?!
- Pois farei isso...agora será de vez...
- Não posso permitir...
- Sois louca,uma louca sem juízo, nem merece que por si vá esgrimir...
Clarisse e o marido pela posse da arma lutaram...lutaram até Clarisse cair...
A arma disparou , sem ninguém perceber ...quem de facto iria morrer...
Então o marido tombou e ficou de bruços sobre a carta que a mulher escrevia ao amante...
Ela assustada questionou...
- David , estás aí?
O amante não respondeu
Clarisse lamentou:
- Ai e agora sem amante e com marido morto que será de mim?
para : Fábrica- tema : "Disparou"