quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Um conto de fadas mal contado

Acordo, encontro-me numa sala linda...Uma beleza rara...que causa tédio...Apaga a inspiração de uma  musa bem intencionada.
Os meus olhos vislumbram uma construção  antiga. Reporta-me imediatamente a um filme de terror...Um túmulo sem um raio de sol, a própria morgue!? Feito de pedra dura com uma arcada românica,bem atarracada...até já rocei ali os meus cornos...
Lá mais adiante edifica-se majestosamente um templo pré-fabricado, muito apropriado para os pupilos...eficaz para a distracção, sem infra-estruturas próprias...
Mas em compensação muito ventilado...tão arejado que o vento quando sopra louco... rouco, prolongado e forte galga, trepa a galope para dentro e levanta folhas, roupas e cabelos...
Os cortinados curtos afunilam no rosto da criançada...e do lado de fora outros meninos bem comportados,instruídos, educados...muito intrometidos metem o nariz na ceara alheia,que é como quem diz...onde não são chamados....
Assim perturbam a lição aos rugidos, numa autêntica arruaça...numa linguagem ininteligível!
Fazemos uma , duas, três ...pausas forçadas.
Dentro há os que mordem a língua,porém, tentam refilar.
Chovem advertências e chamadas de atenção!
Entretanto, perdemo-nos todos...e encontrar o fio à meada?
Mas somos todos mestres na arte de compreender, de educar...actores fabulosos,substitutos dos criadores e até conseguimos mostrar dotes que não possuímos; desde bons psicólogos,excelentes pedagogos, educadores exímios... heróis à força...forçados a entrar numa guerra que negamos, que não desejamos, que não compramos, sem sentido,cruel e injusta...

E qual é o principal culpado, o arguido,o acusado de todos os crimes?

sábado, 23 de outubro de 2010

Uma certa Lady...

Minha bela   senhora
penteada de azul
é chegada a hora
de remar para sul

Convido-a a sentar na carrugem
apesar das suas contradições...
venha tomar comigo uma aragem
na chama das minhas ilusões

Que os meus discursos não a façam adormecer
nesta  tarde que nos enche de emoções
mas tudo depende do seu querer...
nas longas claridades de platónicas paixões

acompanhe o trajecto da verdade
depressa encontrará meu sentimento
levará com certeza no bolso a saudade
e a recordação de um bafo quente

Menina... vós sois uma andorinha
Conservai então  essa frescura para mim
pois sou tão digno  de vós...
e quero-a toda   purinha
porque sou seu  amor primeiro.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

O Clube dos Homens Imortais



Vamos?

Talvez diga como José Régio ...Não,não vou por aí! Só vou por onde me levam os meus próprios passos.

Desde muito cedo sonhei em galgar a linha do horizonte, sim,como se ela fosse um fio ténue. Apenas uma linha onde se espelha a beleza das nuvens, Mas a grande proeza é ir  mar adentro e ver de perto mar e  céu unidos por um fio. O desafio à capacidade imaginativa e inventiva. O fascínio do lado de lá...o mistério de terras inventadas...teci e preparei viagens,ergui cidades,criei roteiros e depois mergulhei nas folhas dos livros que me proporcionaram as maiores descobertas...cresci com eles...sonhei com eles...lembro-me como foi bom descer às profundezas com A menina do mar. Entrei em A Floresta   ....na quinta toda cercada de muros...onde morava Isabel...e ali nasceu a nossa  grande amizade. Escondi-me no jardim secreto com O rapaz de Bronze. Depois com o passar dos anos dei de caras com a Fada Oriana  e logo a seguir com o Cavaleiro da Dinamarca e os Contos exemplares .
 Sophia de Mello foi sem sombra de dúvida muito importante no meu crescimento a todos os níveis.

 A idade mudou e outras  preferências começaram também a surgir; experimentei navegar nos braços de Fernão Capelo Gaivota, e fui ao deserto deliciar-me com o Principezinho, depois uma mão amiga colocou-me no regaço E tudo o vento levou de Margaret Mitchell,foi a viagem mais interessante e incrível que realizei. Conheci imensa gente maravilhosa.Inesquecível...
Mais tarde ,por volta de 1988 travei conhecimento com Os irmãos Karamazov... e outras viagens seguiram-se, algumas perderam-se na memória...mas voltando a Portugal,mais especificamente à ilha, fui a uma livraria e comecei a encontrar pessoas muito agradáveis e curiosas nas prateleiras, destaco estes nomes sobejamente conhecidos:
 Branquinho d' Afonseca, Miguel torga, Fernando Pessoa, Augusto Gil, Florbela Espanca, Matilde Rosa Araújo, Manuel Alegre, Eugénio de Andrade, Antero de Quintal, José Régio, Gomes Pereira, Almeida garret, Eça de Queiroz, Soeiro Pereira Gomes, Alves redol, Cecília Meireles, David Mourão Ferreira, Vergílio Ferreira, Maria Judite de Carvalho,Oscar Wilde entre outros...e nomes mais recentes ...destaco um  a não perder A princesa que acreditava em contos de fadas de Márcia Grad...mas a lista continua. Veja, pense e meta-se num combóio. A escolha é sua:

Foi Eder Ribeiro do blogue Gotas de Prosias que me convidou a fazer esta viagem

Quero então que se ligue a nós:

Vanuza Pantaleão 
Tatiana
Wilson
Momentos
Verseiro
Sanzinha

 A todos uma excelente viagem!

"Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
- depois, abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar

Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre de meus dedos
colore as areias desertas.

O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um navio...

Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça.

Depois, tudo estará perfeito;
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas."


Cecília Meireles

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

A minha segunda experiência

video

Poesia de Delfim Dias

Não passei por aqui

Ó poetas parai!
Quebrai as canetas !
Deixem-se de filosofias baratas
que não passam de tretas
Perdoai-me o que já escrevi
Mas vale mais uma pequenina descoberta científica
Que todas as quadras que já li!
A minha caneta não parte!
A ciência não é o meu forte!
Se de nada perceber também é arte
Sou um homem de sorte.
Não pensem que ando à deriva no mundo
Por muito mudar de direcção
Correm diferentes caminhos as veias do meu corpo
Todas vão dar ao coração
Não me preocupa o ser original
Nem procuro o primeiro lugar
Quero ser uma "catana"
Na selva onde eu passar!

Voz de : Pedras Nuas

sábado, 2 de outubro de 2010

No êxtase da chuva

Inspiro a bruma
o peito sobe...
a névoa pálida
leva-me ao céu
A meio do Inverno
em taças de espuma
sorvemos a bebida
pura,cristalina...
Num rumorejar perene
o nevoeiro galga-me a boca
rendido...entra em mim
Sem pudor...
toma-me por fim
Em gestos bruscos
 deixa-me louca...
O vento morde-se de inveja
assaltado por visões imortais
A nostalgia enterra a vergonha na grama
Os reflexos escondem mil cristais
Então o tempo muda
afasta o nevoeiro
e exibe as mãos alvas e esguias
Toma-me de assalto,causa-me arrepios
Sacode os cabelos longos e ondulados
enlaça-me num abraço frio
nos olhos...um fulgor maroteiro
Rasga-me as vestes em tiras de papel
indefesa entrego-me assim...nua
E no desvario da sua expressão
cala-me o pensamento
ruidoso suga-me os mamilos
com total sofreguidão
A chuva penosa chora baixinho
a sua triste canção
 As flores  encharcadas de água
bocejam com um ar resmungão
Os pinheiros altos
esguedelhados
ondulam excitados
roçam-se contra o ar
esfiapados...
A floresta lúgubre
e embevecida
escoa em sussurros e gemidos
O tempo tomba sobre mim
vencido pelo cansaço
pelo fluído solto
A terra surpreendida palpita docemente
povoada no corpo por biliões
de gotículas minúsculas
com o aroma delicioso.

Destina-se à Fábrica de Letras e o tema de Outubro é "O cheiro da chuva"