segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Bicadas da minha pena

“O corpo”




Vi e foi numa recta final de sábado, um desses que já passaram...estava curiosa e de repente uma amiga surgiu na hora certa com um estojo recheado deles...lembro que nesse dia não me sentia lá muito bem!!! Aquelas crises de meia idade que nos batem à porta sem pré aviso! E lá chovem uma série de dúvidas, receios, medos, frustrações e constatações...não muito agradáveis... subitamente somos assaltados por uma vontade insuportável de chorar e de não querer ter ninguém por perto... Ficamos então a curtir aquela sensação de náufrago que resvala nos meandros de uma depressão, que sem grandes dramas morre um ou dois dias depois …

Retomando o fio à meada, nesse fim de tarde...segurei o estojo e sem mais delongas tirei um filme para visionar no computador...A película intitulava-se; “O corpo” com António Banderas, interpretando o papel de padre! Sem querer entrar em pormenores, porque a ideia não é recontar a história, pois isso não faria sentido e seria enfadonho! Tudo começou quando uma arqueóloga descobriu um túmulo e as ossaturas de um homem que tudo indicava serem as de Jesus Cristo!!! A polémica instalou-se, e é naturalíssimo que gerasse grande confusão entre as partes envolvidas: israelitas, palestinianos, Vaticano… Um dos padres amedrontado com a ideia, suicidou-se, e essa morte remeteu-me para a morte colectiva da humanidade crente numa fé cultivada durante séculos....! Seria realmente trágico se hoje a ciência provasse que a ressurreição de cristo nunca acontecera ... Que tremendo abalo para todos aqueles que acreditam no Filho de Deus! Penso que a igreja tudo faria para que a verdade fosse calada e poupada a escândalos… O final é realmente surpreendente, quando António banderas deixa cair o engenho explosivo, correndo, ele próprio risco de vida, contudo, impediu assim que soubessem o que quer que fosse acerca da identificação do ossos. Depois ele deixa o Vaticano porque apercebe-se que foi usado pelos membros do clero para esconder os factos, e sobretudo, chega à conclusão que não necessita da igreja para ser um homem de fé.

 8 de Março de 2006



14 comentários:

Ana disse...

A fé está dentro de nós...Basta procurar. Certo?
Bj

AC disse...

Pedras,
Aquilo que mais me tocou no teu relato foi o à parte...
(Somos sensíveis humanos, não é assim?)

Beijo :)

Ibel disse...

Gosto de escrita clara e com significado.
Beijo

Ibel disse...

E gostei do título.Continua a bicar e a deliciar.

Nilson Barcelli disse...

Como sou agnóstico, o meu problema ficaria resolvido se fosse provado que JC não ressuscitou. Para mim, continuava tudo na mesma.
Gostei das tuas bicadas...
Querida amiga, um beijo.

Cristina Fernandes disse...

Essas bicadas que "picam" a alma inquieta, sempre na busca dum plano mais elevado de consciência...
Beijo meu
Chris

Vanuza Pantaleão disse...

Pois é, amiga! Você não queria, mas fez uma ótima resenha e como aqui em casa nós vivemos "comendo filmes" (não tem mais lugar pra guardar dvds, fitas, etc), fiquei louquinha - desconfio que já sou - para assistir esse filmaço do Banderas que tem uma carreira oscilante como ator, mas nesse aí ele deve estar afiadinho.
Ah, a Santa Madre tem muita história pra contar! No Brasil, até que a Igreja Católica com a sua ala progressista (Dom Hélder Câmara e Dom Paulo Evaristo Arns) deu uma força enorme pelos direitos humanos. Enfim, é uma instituição humana, alguns acertos e muitas falhas. Não sou católica, sou tudo, às vezes não sou nada, mas como diz a Rita Lee, "só não duvido da Fé".

Amiga, uma ótima semana!
Beijão!!!
PS: Você já viu o que o super louco do Almodóvar faz com a Igreja? Ai, ai, ai, não saio mais daqui. Tchau!

JB disse...

Já vi esse filme e lembro-me na altura de me term passado imensas questões precisamente algumas das que aqui abordas... E ficamos a pensar, sem dúvida!

beijinho

Yon disse...

Muito bom o seu texto!! Continue a nos agraciar com o seu talento. Em tempo, vou procurar o filme pois parece ser bem interessante!
Abraços

Fê-blue bird disse...

Sou uma cinéfila assumida ;-) vi esse filmes à já algum tempo e a ideia que guardo é a frustração final do personagem.
Também tenho dias assim.

beijinhos

Brown Eyes disse...

A fé nasce connosco. Beijinhos

Mgomes - Santa Cruz disse...

Pedras Nuas: Nada seria sem fé era fuilme mas podia ser real, a minha fé ninguem a faz avalar sou formado em teologia, e vou ser ordenado Diacono no proximo dia 8 de Dezembro a ciencia só estudo aquilo que vemos até ao horizonte a partir dai só a teologia e Deus a que pode saber o que lá se passa.
Beijos
Santa Cruz

Espaço Aberto disse...

Que postagem mais interessante!

Você sabia que mais comum do que a maioria das pessoas imaginam, o Transtorno de Déficit de Atenção afeta uma média de 5% a 10% da população infanto-juvenil?
Quer saber mais sobre o assunto? Venha ler a matéria da Carmem.

Receba o nosso abraço carinhoso

Manuela Freitas disse...

Olá Pedras,
Eu tenho a minha fé própria construída depois se ultrapassar muito questionamento! A minha fé pessoal tem gente de carne e osso e ontem ao ver o filme «Saramago & Pilar», em que ele se questiona sobre Deus, gostei do que ele disse «Hoje estou aqui, amanhã não estarei, simplesmente isso!»
Se algo abalásse o Vaticano era uma guerra!!
Beijos,
Manuela