sábado, 31 de dezembro de 2011

Há uma pedra que geme...

Há uma pedra que geme
quando o silêncio se cala
Dedos ulcerados em neblina
embebidos num céu franjado
de agonia…
Olhos sulcados de areia fina
nau que afunda
odor a pimenta
ósculo na minha mão guardado
sabor a bruma…
oh cinza reservada…
Gaivotas suicidas esgrimem
no ponto exacto do armistício…
Sons rosa…
colinas de desejos
e o botão ?… o botão…
viçoso, límpido, tenro…
oh doce tentação…
O incêndio devora a guitarra
A noite masturba-se com volúpia
o rio desprende-se
despenha-se quente…
banha a encosta …
desemboca para lá das faluas
Junto ao cais…
Tropeça
no assalto da onda
que se arremessa contra
espelhos partidos
Melopeia de lágrimas vertidas
um choro sem  intenção
centelha de pecado original
Dedos entrelaçam
meias verdades..meios sorrisos
Bebedeiras sucumbem
a bares vulgares…
Não há fuga …
Ou se deixa empurrar com a vaga
Ou se perde o pé… na noite acesa de vultos
O desespero amordaçado…
Esconde-se nas sílabas
Que não ousa gritar…
A Madrugada cansada…
pede, roga …
para retornar a casa …
fragilizada
emotiva
fica triste e revoltada…

P.N.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Leiam por favor!!!!

Eduardo Sá: “Estamos a espatifar a infância das crianças”


Estado não está a cumprir a lei no que respeita à proteção das crianças emrisco, acusa Eduardo Sá. Em entrevista, o psicólogo lança duras críticasao caso do desaparecimento de Rui Pedro que veio demonstrar que, em Portugal, há crianças de primeira e crianças de segunda. Os meios mobilizados, comparativamente aos de Maddie McCann, foram prova disso.
Disse um dia que as crianças estão em vias de extinção…
Estão. Não digo isso pelo facto de o Governo e a oposição as terem transformado numa espécie de conta poupança reforma. Acho até divertido que se fale de tudo e mais alguma coisa nas várias campanhas – presidenciais incluídas – e as questões das crianças e a política de fundo para a família nem sequer exista. Portanto, o que é que a mim me preocupa? Preocupa-me esta ideia complemente absurda de crescimento, que dá a entender que as crianças têm que ser jovens tecnocratas de fraldas antes dos seis, têm que ser jovens tecnocratas de mochila depois dos seis e têm que ser jovens tecnocratas de sucesso ao entrarem na universidade para que, finalmente – como se fosse uma linha de montagem –, saíssem todos mestres. Mestre é a designação mais vergonhosa que eu já vi para um título académico, porque é um título que reconhecemos aos sábios.
Andamos a enganar os jovens?
Isto é o cúmulo da publicidade enganosa. Explicar a miúdos com 22 e 23 anos que são mestres, de maneira a esperar que eles sejam, de preferência, ídolos antes dos 30… Anda toda a gente num registo eufórico e doente, que não percebe que as pessoas precisam de tempo para crescer. Acho engraçadíssimo quando dizem com orgulho que no jardim-de-infância há crianças que já sabem ler e escrever, mas não é isso que as torna mais sábias. Às vezes, as pessoas confundem macacos de imitação com crianças sábias. Acho engraçadíssimo quando as crianças não podem errar – eu julgava que errar era aprender. Mas não: as crianças têm que ter notas que são insufladas sabe Deus pelo quê. Vivem empanturradas em explicações. Se os pais puderem utilizar todo o tempo que a escola coloca ao serviço das famílias, elas podem passar 55 horas por semana na escola… Estamos a espatifar a infância das crianças, a espatifar a adolescência e, depois, com um olhar absolutamente cândido, dizemos que elas têm défi ces de atenção.
Existe a ideia que as pessoas mais escolarizadas são pessoas mais educadas?
Vive-se com essa a ideia. E peço desculpa, mas as pessoas, com toda a boa vontade do mundo, estão a tornar as crianças mais estúpidas. Se as crianças não aprendem a tolerar as frustrações, nunca hão de ser engenhosas e nunca hão de aprender com as dificuldades. A dor dói, magoa, mas é uma oportunidade de crescimento e não há dores que venham por bem. As dores são as grandes oportunidades para nos interpelarmos e para nos transformarmos. E nós não damos oportunidade às crianças para serem crianças. Queremo-las como fossem clones daquilo que nós sonhámos ser, mas que não fomos capazes. E, nestas circunstâncias, tem que haver alguém com algum bom senso que diga “tenham cuidado que estão a comprometer tudo”.
As crianças brincam pouco?
As crianças brincam de menos. Se houvesse em Portugal um Ministério da Educação digno desse nome, teria outro tipo de cuidado com os recreios das escolas. Os recreios das escolas públicas são uma vergonha. Não reúnem condições indispensáveis para brincar. As escolas deviam ter recreios cobertos, mas brincar é, para os governantes, uma atividade tipo primavera-verão: quando está frio e a chover, as crianças não podem ficar nas salas, não podem ficar nos espaços comuns, não podem andar na chuva… Brincam nos beirais, que é uma preparação para os desportos radicais. Mas, na falta de cuidados em relação às crianças, há um exemplo que é o mais delicioso do mundo: não compreendo porque é que as crianças têm uma disciplina de Educação para Saúde e depois, nomeadamente nas escolas públicas, as casas de banho dos alunos não cumprem as condições indispensáveis em termos de saúde pública. Para a ASAE, a segurança alimentar é importante, a contrafação é importante. As crianças, não.
O que lhe apraz dizer sobre toda esta polémica em torno dos contratos de associação?
Não me choca que o Estado, quando não consegue cumprir os seus compromissos, possa delegá-los noutros. E possa, na sequência disso, fazer os contratos de associação que acha que deve fazer. Até aqui, isto é pacífi co. Agora, há dois aspetos que me parecem incontornáveis: quando as pessoas querem negociar de forma séria e leal, negoceiam a tempo e horas e não me chocaria se hoje estivéssemos a negociar uma transformação para daqui a dois anos, de maneira a que se possam pensar alternativas. Não acho que o Governo tenha estado bem neste aspeto. Agora, choca-me que depois as crianças sejam instrumentalizadas de uma forma absolutamente indecorosa e sejam trazidas para discussões que não são bem razoáveis. Instrumentalizar campanhas presidenciais à esquerda e à direita com este tipo de questões, peço desculpa, é um bom serviço em favor do obscurantismo.
Cada vez mais se ouve falar de crianças maltratadas…
Felizmente.
Tal não significa que haja maior número de crianças nessa condição?
Por amor de Deus. Estas são as melhores famílias que a humanidade conheceu. As atuais. O que significa que os nossos filhos estão seguramente melhores.
O que leva um pai a maltratar um filho?
(suspira) Muito sofrimento acumulado. Pessoas doentes sempre existiram ao longo da história. O sistema judicial é que não. É uma conquista importante da humanidade e todos nós devemos exigir que um sistema judicial, dedicado às crianças, seja um bocadinho de sistema judicial e que tenha um componente significativo de saúde, nomeadamente de saúde mental. Que nós aceitemos que os pais maltratem, não podemos aceitar; que nós aceitemos que o Estado, como garante de princípios fundamentais, seja omisso na proteção das crianças, é que eu acho que seja inadmissível. Quando grande parte das comissões de proteção tem pessoas da maior generosidade que estão em part-time ou em voluntariado, isto diz bem o que é a proteção das crianças em Portugal. Quando nós admitimos que haja crianças que, no fundo, estão sinalizadas como estando em perigo, mas estão em perigo durante anos… É aqui que eu acho que temos que parar e perceber o que é que queremos da proteção das crianças. Porque o Estado não cumpre a lei. Em média, as crianças estão confiadas aos centros de acolhimento cinco anos. O Estado comete ilegalidades sobre ilegalidades a esse nível.
Mas porque é que se maltrata?
Repare: ainda hoje há pessoas que suspiram pela escola do antigo regime, que era uma escola exemplar, onde cada erro representava uma reguada. Muitos destes pais tiveram escolas e famílias muito autoritárias. É por isso que os pais hoje, quando se trata de dizer que “não” a um filho, confundem autoridade e autoritarismo. E passam a vida quase a pedir desculpa com a ideia de que o “não” traumatiza. A autoridade é um exercício de bondade; o autoritarismo é um exercício de prepotência. A prova de que nós fomos crescendo com estes equívocos é um bocadinho esta. Ainda há pais maltratantes.
De todos os estratos sociais, portanto…
De repente, até parece que os pais da classe média não maltratam. Há crianças que andam em colégios para meninos com “pedigree” e chegam lá todos os dias com marcas de serem batidas. E quando têm 80 por cento nos testes ficam em pânico, porque são aterrorizadas constantemente… Essas crianças estão em perigo. Porque é que as comissões nunca protegem esse tipo de crianças? Temos que proteger mais e proteger melhor. E os tribunais têm que ser mais duros em relação aos pais que maltratam e negligenciam porque, por mais doentes que eles estejam, não têm o direito de desbaratar todos os recursos saudáveis dos filhos.
Como comenta caso do Rui Pedro, desaparecido há 13 anos?
Uma vergonha! É uma vergonha que o Estado – e não estou a falar dos tribunais nem da justiça – o Estado, como garante do exercício da justiça, mobilize os meios que mobilizou para a menina do casal McCann e não mobilize os mesmos meios para todas as crianças desaparecidas. Não há em Portugal, não pode haver num Estado de Direito, crianças de 1.ª e crianças de 2.ª. não é justificação que alguns elementos de aparelho de Estado digam “não averiguámos porque não havia meios”. Isto é ainda é mais ofensivo para os cidadãos que, com um esforço terrível, pagam impostos resultantes da má governação dos governos dos últimos 30 anos. Estamos a falar da vida de uma criança que não sabemos onde está; se está viva ou não. Estamos a falar de pais que há 13 anos, desesperadamente, apelam de todas as formas possíveis por ajuda. E eu já perdi a conta a comentários de pessoas que comentam tudo e que até em relação ao equilíbrio mental da mãe já se dirigiram. Meus Deus! Quem é que é o pai de bom senso que, ao fi m de 13 anos nestas condições, consegue estar equilibrado? Ninguém.
O Estado falhou neste caso?
Aquilo que o Estado mobiliza quando uma criança desaparece nunca são os meios necessários e sufi cientes, porque parte sempre do pressuposto que não é uma questão tão urgente como o crime económico e outras coisas do género. Acho isto da maior gravidade. E acho, sobretudo, da maior gravidade que um país inteiro pare à procura de uma criança – e acho muito bem –, mas como se as crianças tivessem nacionalidade. Compreende? Como é que podemos esperar que aqueles pais aceitem uma disparidade desta natureza, como se os filhos dos outros fossem filhos de 1.ª e os filhos deles fossem filhos de 2.ª. Acho uma vergonha. E aquilo que é ainda mais vergonhoso é que este caso não tenha merecido por parte das figuras do Estado, ao menos isto: um pedido de desculpas aos cidadãos e tomarem isto como pretexto para configurarem outra forma de atuação para evitar que isto se repita.
É possível ensinar as pessoas a serem bons pais?
É. Os pais precisam de falar pelos filhos: eles sabem muito bem que quem nos ama diz-nos por atos (e por omissões) qualquer coisa como: “sente-me em ti, pensa por mim e fala por nós”. E, de facto, os pais às vezes sentem, pensam, mas não falam. Não falam nem por eles, nem pelos filhos. Ensinar pode fazer-se de maneira divertida, pode significar dizermos aos pais que estão obrigados a dar uma hora por dia aos filhos. Uma hora de mãe ou uma hora de pai, faz muito melhor do que o óleo de fígado de bacalhau para as crianças crescerem. E é necessário dizer aos pais que têm fazer, pelo menos, uma asneira de oito em oito horas. Os pais que não fazem asneiras não são bons pais.
Costuma dizer que as pessoas têm o coração apertado até ao último botão. É o que se passa com os pais?
Acho que somos todos mal-educados. Todos tivemos uma educação judaico-cristã, uma educação positivista que, em muitos aspetos foi importante, mas que criou um vício de forma muito cartesiano que nos leva a imaginar que, quanto mais racionais, melhores pessoas. Fomos todos mal-educados para as emoções. Ainda continuamos a achar que ter raiva é uma coisa feia, como se a raiva não fosse o melhor ansiolítico do mundo. Quem assume que tem ódio de vez em quando? E o ódio só acontece quando alguém que nos ama nos magoa muito. As emoções são um GPS fantástico que temos na nossa vida e nós somos educados para reprimir as emoções. Quando reprimimos as emoções, além dos efeitos neurológicos que isto provoca, vai introduzir uma coisa que é pior: à medida que não transformamos as emoções em palavras, passamos a ficar partidos ao meio. Sentimos tudo, somos tremendamente intuitivos, mas depois deixamos de aprender a falar. Quanto menos somos educados para as emoções, menos educados nos tornamos para as palavras e mais começamos a adoecer.
Somos, então, mal-educados para o amor?
Somos também mal-educados para o amor. Mas para que é que é preciso educação sexual nas escolas? Vai-me desculpar, a sexualidade faz muito bem à saúde. Mas muitas vezes esta “educação moral e religiosa parte II” está a partir do pressuposto de coisas erradas. Educar para o amor é uma coisa muito mais séria. É muito importante dizer o que é o aparelho reprodutor e falar de meios contracetivos… nada disso merece questão. Mas o que eu gostava é que também se explicasse o que é que são as relações amorosas. Devia ou não devia ser proibido casar com o primeiro namorado? Só devia. Quer dizer: passamos a vida a dizer que errar é aprender, mas nas relações amorosas temos que acertar à primeira. Onde é que isto já se viu? Isto é mentira. Se queremos educar para as relações amorosas, devíamos dizer que devia ser proibido casar para sempre.
Não devia ser para sempre?
São todas para sempre. Mas o que eu gostava que as pessoas percebessem é que quanto mais importante é uma relação mais frágil se torna. Porque exigimos às pessoas que amamos – e bem –aquilo que não exigimos a mais ninguém. E quanto mais importante for uma relação, mais preciosa ela é. Era muito bom que nós dissemos que todas as relações morrem, sobretudo as mais importantes e, sobretudo, se foram maltratadas. No fundo, educam-nos para nós abotoarmos o coração até o último botão. E, às vezes, as pessoas despem-se facilmente por fora e têm dificuldade em perceber que o grande desafio da vida é despirmo-nos por dentro. É darmo-nos a conhecer por dentro.
Tem uma boa relação com os seus alunos de Psicologia da Universidade de Coimbra?
Gosto muito deles. Gosto muito de dar aulas, mas não gosto do poder universitário. Aprendo muito quando dou aulas, porque sinto-me obrigado a transmitir uma experiência muito diversificada e de muitos anos, a ser claro e simples. Nem sempre é uma relação/opção fácil, mas quando eles percebem que somos capazes de gostar deles e que conseguimos transformar um universo muito complexo como o da vida mental numa leitura relativamente simples, torna-se uma relação muito boa. Não perco de vista que eles são colegas mais novos.
Do que não gosta no poder universitário?
Às vezes,fico meio sem jeito ao dar-me conta de como, em muitos momentos no meio universitário, o bom gosto e a boa educação faltam. E devo dizer-lhe que faltam onde não deviam faltar. Mais do que integrar conhecimentos, as escolas servem para nós ficarmos melhor educados e para nos tornamos melhores pessoas e há muitos episódios soltos, em escolas universitárias – não só em Coimbra – em que os professores são um bom exemplo daquilo que não é boa educação. E depois há um aspeto na vida universitária que me preocupa: existe uma diferença profunda entre os sabichões e os sábios. E há densidade de sabichões por metro quadrado na vida universitária que me incomoda. Acho que os sábios mudam o mundo. Não precisamos de ser altivos ou arrogantes para merecermos respeito.
Não é um meio que convide a pensar?
O poder universitário não é um meio onde a sabedoria seja premiada. Não é. E, às vezes, não é um meio que convide a pensar, onde as pessoas se possam interpelar de forma vertical e leal. Às vezes, não é um meio leal, o que eu acho incompreensível.
Teve uma infância feliz?
Gostava de ter brincado muito mais. Gostava de não ter passado por algumas situações difíceis que vivi. Poderia ser muito melhor, seguramente.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Dói...

A tua música fere a minha sensibilidade....de tão  violenta!
O som sai em roseirais de espinhos
que se cravam  na minha pele
 e rasgam todos os ângulos do meu  corpo...

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Tudo em ti...__________Pausa

Os teus olhos são florestas acolhedoramente sombrias…os teus lábios quentes e voluptuosos chamam a si doces maresias…e os teus seios…os teus seios... são frutos onde a boca se demora de noite e de dia… 

sábado, 22 de outubro de 2011

sábado, 15 de outubro de 2011

Sonha-me...sonho-te...


Dispo a noite em rasgado verso
 teu corpo estremecido
inocente pecado
Tua nudez é minha
suavizado em sentido inverso
 encharca-te, enche a bilha do regato
a tua saliva...a tua língua
 brinca com  esta delícia...
um gole de cada vez
desliza...fundo...mais fundo
não temas...
assim te peço.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

domingo, 25 de setembro de 2011

"E o amor?"


Poema - Autor Desconhecido
Voz/ Fotografias- P.N.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

As últimas linhas

Quando a massa de nuvens se fecunda
No terreno chumbo e abstracto do céu
Há medo escondido
triste realidade
a minha…a tua…
não conheço outra
Quando fuzilas
A estreiteza míope
dos meus conhecimentos
desço alguns degraus…
Não suporto
O coro das abelhas assassinas
as mestras da inteligência suprema
Assalta-me uma certa vergonha
Uma tal obscuridade …
São estas e outras amarras
Que me diminuem…
Se tu ao menos pudesses compreender…
Recolho-me todo  no quarto
Um lugar meu…
Aproveito para fingir que durmo…
As sombras ocultas ganham vida…
respiram, mexem, assustam…
fantasmas da minha imaginação…
Sem firmamento
Sem mar
Sem cor
Sem ruas
Sem perspectiva
Sem fundo
Sem varanda
Na qual debruçar
Sem chão
Sem tecto
Apenas alma
Longe …tão longe…
Chegam
De outros tempos
Estalos de cavalgadura
Na calçada estridente…
O sono abafa, amortiza
Os silvos agonizantes
Vozes de gente?
Quem sabe…talvez
Tudo promessas incumpridas ?
Desculpas vãs ?
Mentirinhas inofensivas?
“Mas excelência há-de convir
que lamentavelmente não é possível…”
“Mas excelência há-de convir que a mim
essa alternativa não me apraz…”
“Mas excelência, honrosa excelência
O cavalo adoeceu…
e o senhor meu marido …exasperado
perdeu o juízo
pois foi logo pensar no prejuízo…
assim sendo, a situação agravou
e a minha vida complicou…
“Mas excelência…honestamente…
Um destes dias…se vossa excelência
achar oportuno…podemos conversar.
Para que desta forma eu também tenha
a oportunidade de me esclarecer…
apesar de saber que o meu comportamento
foi inqualificável …
no entanto, não dramatize…
se bem que…verdadeiramente o senhor mete nojo!
Mete nojo aos cães! Partia-lhe a cara!
Não leve a mal a minha leviandade
franqueza
frontalidade
Sou serva de fino trato
De qualquer forma se me permite
Enchia-o de porrada
Já sei que sou louca
Uma louca apetecível, aprazível
Com quem vossa excelência delirou na cama
Não torno a repetir; tenha cuidado comigo.”
Os ponteiros do relógio estacionam…
Não pára de chover…aguardo febril…preciso fugir
Não!
não sou atado, nem doido, nem mal intencionado
nem tão pouco corcunda ou desleixado…
Sou apenas um homem atormentado
Existe em mim uma inquietação
Busco …descanso…paz … recolhimento…
O sol retorna precisamente às quinze horas e cinco minutos
desta tarde bruscamente acinzentada
Dia dois do mês Setembro, ano da minha desgraça
Porque me fazes semelhante aparição?!
Acusações baseadas em conjecturas
gente que nem me conhece!
gente que não me diz respeito!
gente que se julga maior
que um qualquer dos mortais…
Tu não descansaste
Enquanto não retiraste o último brilho aos meus olhos
Vergaste-me os ombros ao peso da tua maldição
Tornaste-me frágil, objecto franzino…
que se quebra num estalo
Das pálpebras tomba
desencanto
fadiga
a tua falta de compaixão
a minha falta de talento…
Agora, agora resta-me o quê?
se possível das cinzas
Renascer …renascer por inteiro.
Pedras nuas 

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

sábado, 6 de agosto de 2011

Já não me encantas...

Os teus lábios murcharam por falta de água dos meus. 
Os meus secaram...
e nem uma sílaba, nem uma palavra inteira
escutarás da minha boca
que não foi feita
para beijar a tua...
Recuso essa música clássica
essa prosa
leprosa
que sai da tua cabeça louca...

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Nada a dizer...

O tinteiro tombou…a tinta espalhou-se e bebeu o poema
no seu lugar apenas uma mancha escura…
Procurei-me no papel…nada...
Nada sobre  mim… 

sexta-feira, 22 de julho de 2011

terça-feira, 12 de julho de 2011

Quando eu morrer




Quero que fiquem contentes
Quero que se embebedem
Quero gargalhadas a ecoar nos meus ouvidos
Quero que  lancem foguetes
Quero que se riam e riam mais ainda
Mais do que antes
Quero que corram para a praia
Nus e tontos e loucos
Uns a cavalgar os outros…
Amem-se muito
Amem-se todos
Sou o rei! Viva o rei!
Ordeno que se divirtam!
E a minha última vontade
Nunca exigi nada…
Porque o nada é coisa nenhuma…
E durante a temporada
Que por cá andei
Nunca  acertei o meu passo ao vosso
E a minha vida foi aquilo
Que todos viram…
Pura diversão
Sem gastar mal
Um tostão…
Comprem-me
um smoking
Não peço mais nada
Por favor
Nada de rezas
Nada de lágrimas
Nada de missas
Nada de cânticos
Nada de terços
E que as portas do Inferno
Se abram para mim…
Não, para o céu não
Não quero santidades…
Antes o pecado
Rubro
Quente
Soberbo
Alegre
Antes queimado
Bem-humorado
Sempre… até à eternidade….
P.N.
( Inspirado na conversa que tive com o rapaz  da foto que é extremamente divertido)