quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Princesa e Pedras


Princesa- O menino está só?! Não! O menino não está só! Não vês a água que corre? E o cágado mesmo ali? O raio de sol que o beija e o reflexo que brinca com os seus cabelos ondulados?
Pedras – Vejo tudo isso…e aquele vaso perdido no jardim, de quem será?
Princesa- Não sei mas quase aposto que foi atirado pelo menino do riacho, aquele sonso está sempre a fazer marotices às escondidas
Pedras- Não fales assim do menino…as suas marotices são tão inofensivas….
Princesa-Hum? Não sei. Porque o faz? Até o mocho, o professor da floresta já me falou sobre este menino….
Pedras- Porque faz marotices? A resposta é óbvia, trata-se de uma criança!
Princesa -O professor tem experiência e apesar das lentes embaciadas e ver muito mal… nada lhe escapa.
Pedras- Admito que sim.
Princesa- Digo-te, este menino está “apaixonado” por ti e faz de tudo para chamar a tua atenção, aposto que seguirás por este trilho, verás a bilha e espreitarás, tirando de lá alguns doces e flores que ele te deixou…  
Pedras- Também sou “apaixonada” por ele, se fosse meu filho não o amaria mais… a terra aguarda sedenta o alimento que transborda daquele pote, é água salpicada de lantejoulas, há-de arrastar as impurezas dos olhos da rainha e deste rei…um dia ele vai querer voar e os pássaros levá-lo-ão para longe…
Princesa- Não sentirás a sua falta?
Pedras- Naturalmente que sim…bastar-me-á saber que foi mais além e é feliz … ele tem todos os sonhos por compor e um mundo para conquistar… os laços que nos unem nunca mais se desfazem…são como as raízes das árvores.
Princesa- O amor é assim; primeira espreita, depois estala, mesmo sem querermos ou esperarmos…a certa altura, estala em dor.
Pedras- Não existe amor sem dor…
Princesa- O menino maroto não perdoa, se te afastares muito, sentirá ciúmes e quando crescer parte-te o vasilhame, retira os doces e as pétalas que te tinha ofertado … e quando acordares verás que lá estão só as tuas lágrimas …
Pedras- As minhas e as dele, unidas, para juntas renascerem e seguirem distintos caminhos, sem nunca se esquecerem. Quando o menino faz maldades vem ter comigo, o lábio gordo a tremer de emoção, pede desculpas, abraçamo-nos comovidos e o nosso amor estreita-se ainda mais.
Princesa- Ele ainda é muito verdinho… tentas ampará-lo mas um dia, constatarás que é em vão…
Pedras- Nada é em vão…se houver sentimento e verdade.
Princesa- Após oferecer-te o vasilhame de amor, um dia cansa-se e o jardim deixará de ser zen, estarás mais velha, o sorriso apagado e murcho e as tardes cinza escuras, desgostos da vida … então ambos aperceber-se-ão que amadurecer é sofrer os desaires do amor e seguir por carreiros errantes e distantes.
Pedras- Escuta o som da natureza, não antecipes as fatalidades, a seu tempo, elas chegarão e nessa altura eu e ele saberemos lidar com as adversidades. Agora escuta a voz da água a correr, de uma ave a cantar…tudo é movimento, ação, queda de risco, saltar, correr, voar ou simplesmente caminhar, cuidadosamente ou inadvertidamente … eu prefiro nem sempre pensar se vou cair, porque se caio, posso magoar-me ou não…a queda pode surgir como uma oportunidade de me refrescar e aprender mais …sinto a mão do menino na minha, é força que me ampara e sorri, que me fala e me segreda palavras de afeto. Continuo vigilante e observo com desvelo as suas brincadeiras e repousos.
Princesa- Preocupas-te tanto com ele! Esqueces que a rainha, minha mãe pediu ao feiticeiro para transformá-lo em pedra e dessa forma castigá-lo pela desobediência.
Pedras- Pois, ao transformá-lo em pedra, aproximou-o de mim…
Princesa- Um dia o feitiço quebra-se… e ao tornar-se humano, abandonar-te-á.
Pedras- Há memórias que perduram… nada foi plantado em vão! É altura de protege-lo dos fantasmas, das bruxas, dos maus olhados, das invejas, das poções diabólicas… e sobretudo ensiná-lo a defender-se.
Princesa- E como pensas livrá-lo de todo o mal?
Pedras- Tenho aqui um livro, o livro do amor. Foi uma fada boa que me deu. Já comecei a escrever nele as minhas memórias, espera, deixa procurar a página que ela me indicou…
Princesa- Porque repetes baixinho o número mil oitocentos e trinta….?
Pedras- Para não esquecer a surpresa que esta página me reserva…cá está!
Princesa- O quê? Em branco?! Que assombro! Ficaste pálida…e agora que me dizes?
Pedras – Não sei…ou…é isso mesmo, observa, o livro está todo em branco, sou eu que terei de escrever a minha história.
Princesa- Fazes-me rir, porque raio havia uma fada boa de oferecer-te um livro em branco, e indicar-te uma página igualmente em branco!?
Pedras- Tu não compreendes, a fada deu-me uma lição; não há setas, nem pistas. Encontra tu própria o caminho.
Princesa- Se for seguro…. Vai e arrisca. Delicio-me a passear por aqui, todos os dias, eu e o meu príncipe dragão, claro está, sentimos a energia deste lugar… que me deixa a alma limpa, fico mais leve, livre e acabo sempre por suspirar da escalada de emoções… diz-me, afinal por que razão o feiticeiro obedeceu cegamente às ordens da rainha? Que recebeu em troca?
Pedras- Não sei, a rainha é mãe…e foi com o consentimento do rei…não sei mais nada.
Princesa- tudo isto me intriga e me confunde…se a rainha é mãe…onde ficou o instinto maternal, a compaixão, o amor…?
Pedras- A rainha adora o seu filho, embora a olho nu, não pareça, está doente e afetada, em muitos aspetos incapacitada, noutros  irresponsável e ainda noutros infantil.
Princesa- Infantil?!
Pedras- Infantil, quando se coloca ao colo do filho e pede-lhe proteção…quando se esconde nas costas dele com um escudo …os papéis invertem-se.
Princesa- Como sabes tudo isso? Nunca me apercebi dessas coisas…
Pedras- Fui ama da casa real durante muitos anos ou já esqueceste?
Princesa- É óbvio que não esqueci…
Pedras- Nem podes, quando nasceste, eu já lá estava.
Princesa- És muito perspicaz.
Pedras- …Podias salvar o teu irmão, porque não o fazes?
Princesa- Estás doida! Neste momento sou a favorita, a que corresponde às expectativas dos reis. A herdeira da coroa sou eu e não abdico desse privilégio por nada.
Pedras- Princesa…por favor.
Princesa- Não! Não tentes. Lamento, no entanto já tomei a minha decisão.
Pedras- É pena que não sintas o mesmo que eu pelo teu irmão, o teu único irmão, mais novo que tu. Eu  faço deste canto, encanto e da pureza, purificação. A voz da criança é conto de fadas, castelo flutuante, prado verdejante, jardim florido… moinho que produz vento…não queres ouvi-lo? Aqui é o lugar mágico do sol e da água límpida e corrente…
Princesa- Não creio nas tuas palavras, estás enfeitiçada. Vou embora, até porque se faz tarde.
Pedras-Adeus!
Princesa- Adeus!
Uma tarde, cansada de esperar, Pedra, decidiu procurar o mago, não suportou mais a indiferença dos reis em relação ao menino. O castelo tinha-o esquecido definitivamente. Tornara-se inadiável socorre-lo. Após longas horas de diálogo, entre ela e o feiticeiro, haviam chegado finalmente a um consenso. O mago quebraria o bruxedo com uma condição; desposaria Pedra, torná-la-ia humana e adotariam o rapaz. A ideia foi bem recebida. O bruxo não era feio, a sua graça andava furtiva nos escombros da maldita bruxaria, merecia uma oportunidade para conhecer o novo sentimento e deixar advir das profundezas um homem renovado. O menino tinha treze anos quando se tornou de novo humano. Prepararam-se para a viagem. Um estalo de dedos do mágico e raiou no céu um robusto pássaro mecânico, movido por rodas, ferro e outras geringonças. Os três subiram uma escada desengonçada e meteram-se na barriga da ave. De repente, ouviu-se um ruído feroz e a cauda do bicharoco expeliu uma fumarada, os enormes membros inferiores iniciaram uma corrida veloz, por fim a ave arremessou-se de novo no céu… e as asas abrindo e fechando na ânsia de chegar ao lugar prometido. Pedras sorriu por se lembrar que a viagem iniciara-se precisamente no ano de mil oitocentos e trinta.

PN 20 de Fevereiro de 13

Nota: Peço desculpa pelas gralhas que poderão encontrar.




Um abraço a todos os Leitores Amigos

4 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

E poderia por muito tempo continuar, mas o principal foi dito e ficou claro.
Somos nós que passando escrevemos a nossa história.
Dentro de cada pessoa existe um menino brincalhão, uma floresta e um livro em branco.

Tenho medo que não seja capaz de escrever correctamente as folhas deste livro e deixe sem pensar alguns borrões que nunca mais terei como rectificar.

AC disse...

Dizes por aqui algumas pérolas, Pedras.
Parabéns!

Beijo :)

Manuela Freitas disse...

TEXTO CHEIO DE MAGIA! PARABÉNS! BEIJOS!

Nilson Barcelli disse...

Adorei a história e a tua narrativa. Fizeste um excelente trabalho.
Poderá ter continuação, se quiseres.
Minha querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.