domingo, 13 de outubro de 2013

Morro de amor por ti...

Se alguma vez fui pecador 
Foste tu que me empurraste 
me puxaste 
mil vezes tentaste o fraco homem 
louca mulher!
Urdiste intrigas 
Verborreia oca e frívola
Ser vagante,
Fantasma reencarnado num elefante
Poderosa bruxa deliciosamente elegante
Usurpadora dos meus delicados sentimentos
Vacilo… tropeço entre a verdade e a miragem
Falsa imagem
Fera que me faz uivar de tesão…
Coisa torta
Titubas e desconcertas –me…desconcentras-me….
Roubas-me as mãos, os braços, o peito , os cabelos
E ardo num fogo lento, demorado
masoquismo adorado
Barco encalhado
Num mar sinuoso;
Seio nu que me chama ondulante, redondo
Farto, fofo…
Curvo e trigueiro
E a minha boca sequiosa 
mata a sede na fonte venenosa 
Vencido, morto argumento, sou!
troças de mim
e rumorejas aos meus ouvidos
num tom doce e confuso
Tolo…enraiveço-me
preso 
numa armadilha de pássaros
pudesse eu bater em revoada
salvo pelas aves…
o céu está distante,
nem sombra de bando…
Estou perdido…
Acordo…
Afasto o vício 
Imploras em risadas que fique
Que me alimente
Da mentira, da traição…
de tudo aquilo em que não acredito
Não!…não!...não!...
Seguras-me, tropeço em ti
Fujo…abalo…arrastas-te 
Pesas-me, fardo obstinado
Deixa-me, não queiras seguir-me
Liberta-me!
Distraído resvalo no obscuro
Rolam pedras sob meus pés…
Sozinho …
Volto-me a tempo de ver o teu 
gelado riso…. deleitado e triunfante
A visão tolda, enevoa-se 
Na queda há um anjo
Sacudo-me aflito e impaciente! 
asas?!
… mas sou eu ?!
PN

12 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Um poema que será uma confissão um sopro ou um grito.
Penso que todos navegamos neste barco e neste mar.
Se alguns se julgam melhores e destes prazeres se apartam a terra os colhe e deles sem querer se fartam.

A. disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Manuela Freitas disse...

Um poema que estremece, que agita, mexe e remexe, mais um dos teus excelentes poemas.
Como dizia Gonçalves Crespo:
"Amar e ser amado, que ventura! Não amar, sendo amado, é um triste horror; mas na vida há uma noite mais escura, é amar alguém que não nos tenha amor! "

Beijinhos saudosos!

MANUEL GOMES disse...

Amiga: Um poema que diz tudo o que pode fazer o amor, pode mexer e remexer mas sempre sai um lindo poema.
Beijos
Santa Cruz

Nilson Barcelli disse...

Intenso e dramático.
Excelente, sem qualquer favor na apreciação.
Querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
Beijos.

John L.S. disse...

Construção interessantíssima, caríssima! Abraços...

Nilson Barcelli disse...

Voltei a ler e voltei a gostar muito deste teu excelente poema.
PN, querida amiga, tem uma boa semana.
Beijo.

Sotnas disse...

Olá PN, e que tudo esteja bem!

Passando por cá após longo espaço, não por esquecimento, mas por conta deste senhor chamado tempo!

Digo apenas que é sempre deveras prazeroso ler teus poemas, pois são sempre tão intensos e expressivos dos teus sentimentos, obrigado por compartilhar!

Assim eu grato por ler tantos belos sentimentos cá desejo que seja sempre tão iluminado e intenso o teu feliz viver, um grande abraço e, até mais!

AC disse...

Apesar de muito, isso é apenas o teu vislumbre. Eu sei que tu és muito mais.

Beijo :)

Parapeito disse...

Gostava de ouvir este poema !
maravilha,
abraço**

Anónimo disse...

Escreve em masculino?
É um homem?

Pedrasnuas disse...

Não anónimo, sou mulher e bem mulher...mas quando se escreve, pode-se interpretar vários papéis...ou você é limitado? Não se consegue imaginar dentro da pele do outro? mesmo que seja do sexo oposto? Leia mais e vai descobrir que outras pessoas(ligadas às letras ) fazem o mesmo....