segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Há fumo pelas serras fora…

Há fumo pelas serras fora…
o vapor tropeça nas vertentes húmidas
cortinas corridas, janelas esvoaçantes …
cabeças sem juízo 
das casas encolhidas com frio 
escondidas no sopé dos montes …
abrigadas dos ventos fustigantes
Numa síncope desfalecida, o céu tomba
mais cadavérico que nunca…
e vai habitar os troncos decepados
As bruxas soltam-se em tarde sombria
mas estão velhas, cansadas e doentes
e o feitiço já não vinga…
procuram asilo em lareiras frias
onde deus voltou as costas e se foi embora…
Uma penumbrazinha descuidada mete o pé no charco
e fica a cogitar contrariada
foi sujar-se mesmo antes de adormecer …
agora vai ter de se deitar em lençóis frescos…
a cheirar a terra vilã e a erva desgraçada
Que passo desconcertado…
os queixos apertam, rangem de martírio
as sílabas inacabadas tremem periclitantes
O farol engoliu a bofetada e desapareceu mar adentro
um estouro de onda, pobre desnorteada
deu-lhe o rumo certo…
para além, fora do manicómio das cabeças desunidas
para longe, onde não se respira o pó que morde
o lugar das pedras lúcidas e curadas…
PN

5 comentários:

Fê blue bird disse...

O rumo certo é mesmo esse minha amiga,fugir para além, para longe.
Perfeito e pertinente este teu "ensaio".

beijinho

Filipe Campos Melo disse...

Poderia ensaiar uma interpretação
Talvez até invadir o verso
"Que passo desconcertado…"

Poderia assinalar os sinais ocultos
As cifras que se oferecem palavras
Talvez até rasgar um verso
procurando "asilo em (ardentes) lareiras"

Há, contudo, um fumo
um vapor húmido
um eco invulgar
que se estende "pelas serras fora"

Um verso, "Uma síncope desfalecida"
Um Poema onde "as sílabas inacabadas tremem periclitantes"

Enquanto
"o céu tomba
mais cadavérico que nunca…
e vai habitar os troncos decepados"

Assim se ergue do mundo
Mundo outro
"fora do manicómio das cabeças desunidas
para longe, onde não se respira o pó que morde
o lugar das pedras lúcidas e curadas…"

(...)

Entre o non-sense e a transparência
existe um lugar onde se escreve sublime poesia
Este poema alcança-o, sem dúvida

Arrebatador
Irresistível
(merece demorada e repetida leitura e interpretação)

Excelente


Bjo.


Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Realmente neste momento as pedras estão mais lúcidas que alguns.
E...não tenho mais palavras para comentar este poema que é tão verdadeiro e toca na ferida que está aberta em todos nós.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

AC disse...

A agonia de quem sofre o efeito de mentes descompassadas...
Um retrato nu e cru, com talento.
(Fazes falta por lá, Pedras!)

Beijo :)

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Passando para agradecer a visita carinhosa e deixar o meu beijinho.

Sonhadora