sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Poema sem título


(Imagem raptada da Net acerca da vida das Ninfas)

Puseram-se em fuga
seres vagantes
fugidios errantes,
as vestes ?
velas pandas
sopradas na pressa da corrida
Foi na moita
ali…
que sem morosidade se despiram
impacientes ,
forma estouvada
Ósculos repenicados
na pontinha dos lábios;
depois mais longos, mais apertados
esmagados, frios, gélidos
risinhos à socapa …
No instante seguinte;
olhos nos olhos
semblante grave
é a linfa que arrebita
Bocas cobiçosas
ranhuras de mel
ou de par em par
sorvidas uma  na  outra
Línguas roçadas
bêbadas em festa
Dentes alvos e puros
Monumentos megalíticos;
Construção  dura, saliente
mais a   polpa, dentina e esmalte
Ciosos de cerimónias afagadas
Banquete assaz apetecido
Mãos quentes
sob as vestes percorrem uma e outra perna
É a falésia  a chamar almas
O peito sobe e desce mais pulsado
Cabelos esgaçados, puxados 
entre ávidos dedos…
Vagidos assomam da cave
do velho tronco centenário;
raízes amadas….
Montanhas assaltadas
mamilos eriçados e furtados
a habilidades mestres e macias, facilmente soldáveis
ao relento
d’uma qualquer tarde abrasiva;
o  pudor é silenciado
o  medo posto de lado
o pecado abre pernas desavergonhado
O ardor febril
Torna o assalto  à medida da vontade
pele roçada , esmagada , beliscada
 Há regatos abertos
filamentos  viscosos  de lava
escorrem morosamente
mel que se desprende do vazadouro
languidamante…
e é a boca que o vai chupar, lamber
o rosto lambuzar…
Há  rosas atrevidas
desprendidas ….
pintam  paisagem lascivas
constroem histórias
verbalizam numa linguagem despudorada
desfiles de fantasias ,
 loucuras a serem perpetuadas
no jardim das delícias.
PN



8 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Soberbo.
Sem exageros.
Talvez seja o teu melhor poema que já li.
Beijo, sem título...

Nilson Barcelli disse...

Soberbo.
Sem exageros.
Talvez seja o teu melhor poema que já li.
Beijo, sem título...

Manuel Luis disse...

Um jardim abrasivo.
Bj

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, olhos nos olhos lhe digo "é um poema belo e profundo" sem titulo é o titulo perfeito.
AG

http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

Fê blue bird disse...

Um poema capaz de despertar os moribundos minha amiga :)
Excelente!

beijinho

Fernando Guilherme Lopes da Silva disse...

Esta poema é lindo e diz-me muito em todo o seu tema. Parabéns!

Parapeito disse...

caso para se dizer...que é fogo que arde sem se ver...
Belo, muito bela.
brisas doces ***

A.S. disse...

Belo, intenso, sensual, excitante!
Cada palavra é uma ardente caricia escorrendo suavemente sobre a pele...

AL