terça-feira, 16 de dezembro de 2014

A menina


Ventania sem norte
fria e impiedosa
fustiga a vidraça
Dezembro com sorte,
claridades medonhas
tumultos, pedra rachada
abate-se sobre a cabeça da miúda
Há fantasmas que se arrastam céu fora
cujas bocas rugem cavernosas,
mostram dentes afiados, ferozes
Ninguém compreende os seus medos, as suas inseguranças, os seus receios
a rapariga encolhe de altura…
muito tímida…agrilhoada
os vultos assustam
o visível
até o invisível
Move-se às escuras no quarto
de um lado para o outro
angustiada e só
nova claridade, o temor persiste
Na manhã seguinte
sai à rua;
terra molhada
ainda cai uma poalha rala
Chora de alívio
Decide fazer um pacto com a coragem;
percorre montanhas, montes e vales
para se encontrar com a Guardiã da Floresta;
mulher profundamente conhecedora da alma humana
O portão abre e range nos gonzos;
dois duendes acompanham-na
sobre uma passadeira verde…
pássaros saúdam amáveis
O casarão coberto de trepadeiras;
redondo como um moinho
Entretanto, a rapariga vai perdendo tamanho, intimidada
com a força grandiosa da natureza que ali brota e ostenta
Agora já não chove
só o cheiro da terra ensopada, das ervas, das plantas, das flores
Os aromas entontecem
Há brilhos de todos os lados;
O sol
espeta-se em todos os cantos e recantos e os milhares de gotículas
deixadas ao acaso vão brilhando
Lantejoulas saltitantes. Facho interminável de luzinhas…
Os duendes conduzem-na aos aposentos da Senhora da Floresta.
Abrem uma porta
a menina entra e a porta volta a fechar
A sala é redonda, chão de terra seca
paredes atapetadas de relva aparada
raros rebentos de flores amarelas, verdes, brancas, castanhas
aqui, ali, acolá
Ao fundo da sala;
Ei-la, sentada numa cadeira de madeira talhada à mão,
apoiada numa mesa igual, redonda e os bancos também redondos e toscos
Quando se ergue, assusta a miúda, que diminui ainda mais de tamanho.
A mulher é alta, magra, rosto tisnado, jovial,
cabelo cacheado, bagos de uva verde imiscuídos
no vinhal denso da cabeça,
casaco curto musgo maciço de vários tons
calça justa de terra seca, texturada de lama rachada
à medida da silhueta
Botas de cortiça, cano alto.
Pede à menina para se aproximar e ocupar um dos bancos
para ficarem o mais próximo possíveis uma da outra.
Toma-lhe as mãos pequeninas nas suas e predispõe-se a escutá-la atentamente.
Porém, a miúda começa a garatujar tão baixo
que a outra inclina a cabeça e apura o ouvido direito
mesmo assim….
- Tenta falar um bocadinho mais devagar e mais alto, por favor!
Mas a pequena não se controla, sussurra em cascata;
jorro de frases ininteligíveis…quase sem respirar
A senhora da Floresta resolve deixá-la prosseguir
Espera, espera pacientemente
que a rapariga termine aquela melopeia praticamente inaudível
depois, a menina suspira aliviada e
logo a seguir fita-a à espera de uma resposta
A Guardiã da Floresta sorri meiga
e responde num tom médio
- Minha menina, quero que te comprometas a vir visitar-me todas as semanas
Estarei aqui disponível para ti.
Levanta-se, abre um armário grande, feito de cascas de árvores
e declara:
- Aqui tens este baloiço para quando te sentires só e abandonada,
Baloiça, baloiça… imagina que são os meus braços protectores e sentir-te-ás amparada
Leva este gato, poisa no teu regaço, trata-o bem, mima-o….
receberás o mesmo em troca
Significa o meu afecto
Menina, agora vá, volte para casa, não se esqueça
Mime-se e cuide de si!
A rapariga saiu dali mais que surpreendida!
mãos cheias e alma a transbordar de alegria.
PN Dez 2014
Queridos Amigos, aproveito a ocasião para Desejar a Todos um FELIZ e SANTO NATAL.
O poema/conto é da minha autoria, a ilustração trata-se de uma fotografia minha a um postal que encontrei numa loja.
Poema e postal Têm um significado Especial, por isso dediquei-o a uma Pessoa Igualmente Especial.
Fiquem bem!
Até já!

Nota: Desejo a Todos os Amigos que me têm acompanhado ao longo destes últimos anos....Votos de um Santo Natal !
PN

5 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Acordar de um sonho.
Gostei das figuras literárias onde nos levou em viagem.
Gostei das cores que desenham as florestas dos dias que vivemos/sonhamos

Boas Festas

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, O poema é um encanto, se eu fosse o criador do mesmo, envia-o ao meu conterrâneo presidente da republica para ele ler e aprender com senhora da floresta.
Parabéns pela sua criatividade.
AG

Fê blue bird disse...

Como seria bom ter uma senhora da Floresta assim quando eu era uma menina.
E acho que agora também me dava muito jeito :)
Que imaginação fértil minha querida amiga.

Desejo-te também um Feliz Natal na companhia de quem amas.

beijinho

Evanir disse...

Guardo os pequenos detalhes desse
ano caminhando a seu lado,
em minha memória e no meu coração ,
tens um lugar eterno e especial
onde guardo nossa amizade.
Obrigada..Obrigada de todo coração..
Você é tão especial que deixa marca no coração,
quando ausente sinto saudades.
Preciso demais da sua companhia...
A vida é uma grande escola ,
onde plantamos e se escolhermos boas sementes,
certamente vou colher as mais belas flores.
E fazer dessas flores que dei o nome de amizade,
as mais belas e perfumadas no jardim da minha
existência.
Um abençoado final de semana.
Um santo Natal para você e sua belíssima família.
Carinhosamente.
Evanir.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Votos de um bom e feliz Natal.
AG