domingo, 28 de junho de 2015

Radiografia do quotidiano


    Luísa tem catorze anos, é uma rapariguinha bonita, moderna, desempoeirada, sorriso fácil, aluna acima do razoável, postura amadurecida…. Entrou no café, praticamente vizinho da escola e ocupou uma das mesas. Não havia ninguém àquela hora…. O ambiente rústico e sonâmbulo “casava “ bem com as fotografias a preto e branco “fixadas” na parede, com sorrisos abrilhantados, fisionomias antigas e fascinantes, cabelos compridos desalinhados ou polidos e macios, ou ainda muito curtinhos e chiques, expressões que ninguém diria serem estudadas de tão aparentemente naturais!
A jovem retirou da mochila um caderno e uma esferográfica quando se ouviu:
- Luísa! - alguém exclamou.
- Olá professora! - cumprimentou simpática  e continuou - é convidada a sentar-se?
- Não sei se será boa ideia… é que  não estou só, venho acompanhada com mais duas professoras :
- Podem sentar-se aqui, as três, na minha mesa! Será um prazer! Já as conheço!
- A sério? Não incomodamos? -
- Não! assim até vai parecer que estou na sala de aula. - comentou sorrindo.
- Então Luísa, a desenhar? – perscrutou a  professora de cabelo desgrenhado e farto.
- Hoje ainda nada …é só  para me entreter, nada de especial!
- Mostra lá o que já tens, para vermos! – sugeriu a terceira, de cabelo castanho claro e ondulado.
- Peço desculpa professora, não vale a pena! É pouco para …
- Está bem, quando o concluíres, mostras?
- Combinado!
- Tens uma caneta muito bonita! – observou a professora de cabelo castanho escuro liso a apanhado.
- Foi o meu pai que me ofereceu no Natal – respondeu com uma pontinha de vaidade.
- Isso prova que o teu pai tem bom gosto – tornou a professora de cabelo apanhado.
A rapariga riu-se e acrescentou em tom calmo:
- Não foi só a caneta que ele me ofereceu, também “As cinquentas Sombras de Grey”, os volumes todos…
- E já leste algum deles? – indagou curiosa  enquanto consultava a reacção das outras pela troca de olhares.
- Já li todos! – respondeu sem qualquer perturbação.
- Isso é dirigido a um publico adulto -  comentou a professora de cabelo desgrenhado.
- Mas ela é praticamente adulta! – concluiu a professora de cabelo castanho claro e ondulado.
- O meu pai teve uma conversa comigo e disse-me, para eu não andar a espreitar na Internet mais valia ler os livros, assim decidiu oferecer-me!
- O teu pai é mente arejada, moderno e conhece bem a filha que tem! – rematou a professora de cabelo liso e apanhado com uma gargalhadinha triunfante e sempre a sondar matreira  a reacção das outras colegas.
- Concordo, concordo – repetiu a de cabelo claro e ondulado.
A professora de cabelo desgrenhado e farto permaneceu em silêncio….limitou-se a observar fixamente os rostos das presentes.
- Olha, Luísa, - começou a de cabelo liso e apanhado – não sei se é do teu conhecimento, mas a obra já foi adaptada para o cinema e já anda aí nas salas…
- Eu sei professora, foi tanta publicidade, impossível não saber!
- O teu pai que diz disso? – quis saber a  de cabelos claros e ondulados.
- Eu já fui ver o filme ao cinema. – declarou com um sorriso maroto nos lábios.
- Ah!... ele permitiu?! Tens um  pai  fora de série! – lisonjeou a de cabelo apanhado.
- Ela é uma miúda sortuda, ter o pai que tem e ele deve orgulhar-se dela! – anunciou a de cabelo ondulado.
Luísa mostrou de repente uma timidez… própria da sua idade, camuflada num sorriso forçado.
- E gostaste do filme? - interpelou a de cabelo liso e apanhado.
- Não gostei, deturparam certos detalhes da escrita e fico a preferir os livros… Desencantei-me totalmente com o filme, em nada semelhante ao que li.
- Vês, ela é da mesma opinião da grande maioria de  pessoas que viu o filme - declarou a de cabelo ondulado dirigindo-se   à de cabelo apanhado – e adiantou – Uma rapariga de catorze anos…se todos os alunos da idade dela mostrassem uma pontinha desta maturidade, seria óptimo!
A rapariga sentiu o ego atirado ao alto, ria-se mas não sabia onde meter a cara!
A professora de cabelo desgrenhado aproveitou para dizer:
- Conseguem ouvir? É a campainha – consultou o relógio – Tenho aula agora…vou, vêm comigo?
- Nós também vamos! - responderam em uníssono.
- Adeus Luísa, bom dia ! - despediram-se da jovem e saíram do café  em direcção à escola.
PN
Nota( peço desculpa pelos eventuais lapsos que poderão detectar) 



 Grafite Mulher - NET







3 comentários:

Pedrasnuas disse...


Vou deixar aqui o meu testemunho, apesar de não ter lido nenhum dos volumes, nem ter visto o filme....por aquilo que me chega através das várias opiniões... o filme é para maiores de 16. Subscrevo a opinião da professora de cabelo desgrenhado e farto, porque hoje mais do que nunca, os pais não medem o que os filhos devem ou não ver ou ler! Há limites e quando esses limites são ultrapassados é mau. O pai da rapariga tinha receio de que ela fosse à Net bisbilhotar, então resolveu a questão, oferecendo todos os volumes e cartão verde para o filme, livre passagem! Muitos pais, pelas mais diversas razões, não controlam o que os filhos vêm na Internet, quer em casa, e na própria escola é difícil saber ...porque os miúdos percebem como "mexer " e enganar um professor. Portanto, está tudo ali mesmo! Segundo o que me contaram e está aqui .... ...

" a obra já vendeu mais de 70 milhões de exemplares "promove a violência contra as mulheres", perpetuando a imagem do homem como agressor e a da mulher como vítima passiva. Dito assim até pode parecer um grande exagero, mas se pensarmos que ainda este ano saíram os resultados de um estudo sobre violência no namoro em Portugal (em jovens dos 13 e 29 anos) e 25ª% dos inquiridos revelaram já ter sido vítimas de actos abusivos, talvez dê que pensar."

Fernando Guilherme Lopes da Silva disse...

Subscreve as sua palavras, pois são assertivas e claras!
Não li o livro por causa disso não me alongo mais...

Jaime Portela disse...

Também não vi nem li, mas o pai deverá saber que filha é que tem para ter autorizado... Para além disso, a maturidade pode ser muito superior à idade. E, assim sendo, não há qualquer problema.
Um magnífico texto. Gostei.
Há muito tempo que gosto do que publica nos seus blogues.
Por isso, vou passar por aqui muitas vezes.
Saudações poéticas.