quinta-feira, 30 de julho de 2015

Pintura de Antonio da Correggio (alterada pelo photoshop)/ Voz PN/ Poema PN





Serpente



Serpente
S s s s  serpente ….
atavio, arreio da nuca
enrosque, massagem quente
s s s  serpente
tentadora
hummm ….delícia…!
Maçã púrpura, trincada cobiçosa   
provocante … ansiosa…
Antídoto da noite
não seques o rio
abocanha aflito,
espera pelo açoite.
S s s s serpente comilona
lábios argolados
mamo de línguas
súplicas desmedidas
chupos… lambidelas
exturcos macios.
Crânio
sangue quente
corpo revestido de escamas lisas
pálpebras semicerradas
Esquiva, manhosa
Vaticínio, desdita
Esperta, matreira.
Comestível
Inteira!
Meu doce tempero
S s s s  serpente da
borracheira
Arrojo, arremesso
ímpeto de louquice.
No abismo, despenha a nudez bela
Assomo rubro
Lembrança vestida de alguém;
pele aveludada
olhos felinos
lábios pedindo…o beijo
…o beijo fresco e orvalhado
Peixe a saltar para a rocha ….
S s s s serpente fraudulenta;
afluente por onde desagua o murmurejo,
arquejo, estertor , agonizo, ofego
tição a arder; estalido
ao lume da fervura estirado
Boca mordida invoca um nome.
O cavalo peludo cai rendido
A  s s s s serpente
ordena que seja feito tudo naquela cama.
Finca o salto alto na fantasia do bicho peludo
deleita-se; o garanhão indefeso…
presa fácil
A ss s s serpente
Inclina-se, as mamas saltam
Dedos ágeis percorrem as montanhas desatas
puxam os arbustos… esticam um e outro …
reviravolta, virada e nova cabriola
luta hercúlea ,
devassa de corpos
A s s s s s serpente desliza ligeira
espera o momento certo para imobilizar a caça
 arranha as  costas do animal e ali
deposita o veneno fatal…
no  seu amado,  o bicho de estimação, sempre, sempre  cúmplice na reinação …

PN






sábado, 18 de julho de 2015

Falta a lua…

Miguel Angel Ramirez, de El Salvador

Afasta a mão e deixa o sol passar, 
não, não é assim…
se fugir a culpa será tua!
Segura bem o frasco, retira a tampa, deixa-o entrar …
agora, muito depressa…rápido 
volta a fechar …
… só precisamos d’um bocadinho de ouro
a tilintar no transparente vidro ar
Abre de novo para eu atirar para dentro água doce, doce mar 
Apetece-me uma….duas nuvens
uma é minha, outra é tua…
não para o sol cobrir 
só para criar uma certa sombrinha
Vou querer umas gotinhas de água
para ti e para mim… matar a sede se a garganta secar
Lembra-te das plantinhas
verdes , verdinhas …a água que restar será para a rega
Não posso perder nada … que nos fará falta
Sem esquecer um sopro de vento
um soprozinho basta, um hálito para empurrar calmamente
as duas nuvens alvas como a neve fria
e para travar o sol quando ficar muito forte
e fazer chover…quando chegar o vento norte
o que restar é para nos trazer alívio ao calor, aos meus e aos teus cabelos
em fios desenhados e criarem movimentos agitados … serpenteados
Espera aí…apanha uma ave … 
nossa companhia
À noite lado a lado, enrolados, deitados, calados
e ela no seu canto encanto a chamar o sono, pia
um rio…um fio basta para banhar os pés 
deixa ver….um pedaço de céu, como poderia esquecer…
e algumas estrelas… haverá noite no nosso mundo 
porque o sol precisa adormecer 
Agora entro eu, depois entras tu, fecha logo o frasco para ninguém fugir…
…oh, diz-me tu, o que está a faltar? Se alguma coisa falha não vou gostar.
                                                                                                           PN

terça-feira, 7 de julho de 2015

À noite haverá céu ?

Autor: Mota Urgeiro - " A rapariga na varanda"

O sol na tarde
escorregadio…
Os prédios a arder
brandamente, de forma tão aprazível, suavemente
digerindo aquele sentimento, bem por dentro,
as paredes sonolentas e tontas de bebedeira
Um motor, um rugido e o autocarro  na curva engolido
As crianças soltam-se como pardais, na rua
e eu fico aqui na varanda
com a vista calada
testemunha ocular
da tarde que se vai….
O horizonte nem se mexe…
sempre ali,
azul, fiel, firme, familiar, …  à minha frente…
Mar e céu, enrolados, abraçados
Lá em baixo há vento…
as ondas frisadas, crispadas …  
empurradas, lançando-se umas contra as outras…
em brincadeiras galopantes…delicadas, vibrantes 
espumando pela boca…
Grandeza de se ver!

PN

sábado, 4 de julho de 2015

Radiografia do quotidiano



No decurso de uma aula prática, a vozearia subiu para lá do limite tolerável; Amélia, a docente, já havia chamado à atenção várias vezes, inclusive, dirigira-se em particular aos mais perturbadores e nada. Advertiu que iria usar a caderneta, as respostas não se fizeram esperar; - “O que é que eu estou a fazer?!”  - Meta recado, pensa que me importo”, “- Faça isso e levo mais uma tareia.”
Amélia voltara para junto de um rapazinho que sentia imensas dificuldades, após uns cinco minutos, decidiu que se tornara imperativo fazer uma pausa.
- Ei, turma, vamos acalmar, parou por aqui, sentem-se todos no seu lugar. Isto não é um circo, é uma sala de aula. Não podem ir todos lavar pincéis e paletas. Saibam esperar pela vossa vez. Lembrem-se das regras! – apelou.“- Esta professora é uma chata…” A frase chegou aos ouvidos de Amélia que a ignorou. Sabia que naquele momento precisava disciplinar a turma, apenas isso.
- Já posso ir?- Não, tem calma.- Assim, assim nunca mais vou lavar o que é meu!
- Victor, todos vão fazer essa tarefa mas a pia só tem lugar para duas pessoas. Quantas lá estavam?- Sei lá!
- Tu não sabes mas eu sei! contei sete! … e sabem que só podem ir a par, caso contrário pintam-se uns aos outros, brincam, zangam-se, machucam-se e depois choram…
-Não sou dos que choram! – lastimou-se galhofeiro.Algumas risadas.- Acabou, Victor!Ainda com algum ruído perturbador:- Toda a gente sentada, se faz favor!Amélia cruzou os braços e esperou que o ambiente regressasse à normalidade:- Eu própria vou nomear quem vai à pia, de forma ordeira, compreendido?Quando todos se tinham sentado, e o ruído baixara, um aluno pôs-se de pé a meio da sala e levantou o dedo:- Diz, António!
- O meu trabalho está borrado!- Como foi que isso sucedeu?
- Estava na pia a lavar os pincéis … - pronunciou com voz trémula, quase a chorar – quando voltei, vi isto….Amélia, encaminhou-se ao lugar do aluno e pôde constatar que haviam sujado o trabalho do mais aplicado da turma. Ficou incrédula:- Quem fez isto?!
- “Não fui eu!”;  - “Não vi nada! “- Parem imediatamente, isso não me interessa, quero saber  quem sujou o trabalho do António!
De novo o alarido, todos comentava o sucedido, outros riram e acharam graça:- Coitadinho do bonzinho….- Por favor, silêncio! – ordenou enervada.
- Outra vez? Ei…nunca mais chego à pia! – os olhos do  Paulo deambulavam trocistas pela turma procurando cumplicidade. – Não pode ser agora? Olhe, não está lá ninguém! É a minha oportunidade…não percebe professora?- Senta-te e cala-te!
- Olha, senta-te e cala-te?! Está lindo! – repetiu as palavras da professora - O que é que eu fiz agora?
- Paulo, deixa de ser o meu eco, ocupa o teu lugar até esclarecermos este assunto!- Está bem, a senhora é que sabe! – proferiu num tom folgazão enquanto se ria para os colegas.- Agora  que os ânimos acalmaram, quero saber rapidamente a verdade.
- Qual verdade? – tornou Paulo.Amélia não lhe prestou qualquer atenção, já que a maioria  havia feito o mesmo.António, sentado, ar desolado. Não queria acreditar no estado em que ficara a tarefa que já tinha sido iniciada na semana anterior ….Paulo levantou-se muito atabalhoado, encaminhou-se desarticulado para junto de António e da professora e falou num tom jocoso:
- Deixe-me ver professora! – Paulo, era um aluno que já contava com várias participações pelo mau comportamento; pai alcoólico, desempregado, mãe prostituta. Vivia aos cuidados da avó, como esta trabalhava e o resto do tempo ninguém sabia ao certo onde se metia, Paulo, passava a maior parte do tempo sozinho, entregue a si próprio, sem  regras nem afecto.
Novamente uma risada geral e alguns gritos à mistura.
Amélia sentia-se muito desgastada para reagir às provocações constantes daquele estudante.- Olhe professora, a tinta é a que o Duarte está a usar! Veja, tenho razão!  – e apontou o dedo para o colega imediatamente a seguir.Duarte elevou-se no auge da raiva e contestou de forma muito agressiva:- Não fui eu, parvo! Queres que te parta esses dentes todos que tens na boca!? Mentiroso do caneco! – ainda tentou aproximar-se de Paulo com o punho cerrado, prestes a esmurrá-lo. Duarte vivia com os avós, não conhecia o pai, a mãe abandonara-o e fugira com um amante para a Inglaterra, levando o filho mais novo com ela.
- Calma Duarte, não é assim que se resolve coisa alguma! – Amélia colocou-se entre os dois rapazes.- E eu tenho medo de ti, não? – desafiou o outro.- Paulo, ocupa o teu lugar. Fica quieto!- Eu quero lanchar…tenho fome! – lastimou-se com um sorriso matreiro – vai tocar e estamos nisto…! – enquanto puxava a t-shirt, e mostrava o abdómen .Outra risada geral.- Vá, por favor, acalmem-se! Pela última vez, apelo ao bom senso! Vou levar este caso à direcção da escola! Quem foi que se acuse, pede desculpa ao colega e terminamos por aqui!- Foi o Luís! – acusou de novo o Paulo.
Luís levantou-se muito sereno e declarou:- Estás enganado, a tinta até podia ser a minha… uso uma igual …. No entanto, seria incapaz de borrar o trabalho de um amigo!- E desde quando tu e o António são amigos – voltou Paulo à carga.-Já percebi que não saímos daqui! – comentou a professora- Posso mexer no telemóvel? – inquiriu uma aluna
- É óbvio que não! – esclareceu Amélia.- Isto nunca mais acaba! Assim vou jogando…- riu-se descaradamente.- Margarida, não dificultes mais as coisas ….certo?- A senhora já mete nojo! – exclamou a mesma.Ouviu-se: “Oh…”em uníssono e um silêncio perturbador caiu como uma bomba.Amélia aproximou-se da rapariga e estendeu-lhe a mão:- A caderneta se faz favor!Em silêncio, Margarida, aluna sinalizada pela Comissão de Protecção de Menores, como sendo violenta, mal educada e perigosa, vivia com os pais e mais sete irmãos, toda a família com um historial de desacatos e furtos. 
Depois recuou, sentou-se na sua mesa, enquanto escrevia a mensagem na caderneta da aluna, ia indicando quem deveria lavar os materiais de pintura e arrumar a mochila.  Entretanto, a turma tinha acalmado mais, mal tinha terminado de escrever o recado, começou a indicar quem deveria sair.Foi o caos, a maioria incitava a professora a ser o próximo: apontavam as mais diversas razões: Uns tinham fome, outros aludiam que precisam de tempo para carregar o cartão, outros inventavam que os Encarregados de Educação esperavam-nos.- Se continuam com essa postura, ficam mesmo para o fim!De repente estalou a campainha… os que ainda faltavam, levantaram-se à pressa, arrastaram as cadeiras e empurraram-nas para debaixo da mesa, provocando um ruído medonho e correram como doidos para a porta, Amélia assistiu impotente à algazarra, os berros, os assobios, os atropelos, pretendiam sair todos em simultâneo por uma porta demasiado estreita.
Entretanto, um aluno permaneceu, a professora colocou-lhe a mão no ombro:António, não te preocupes, vou agora mesmo  ao director.- Obrigada, professora!Saíram ambos, cá fora, Tiago, o mais tímido, aproximou-se de Amélia quando esta ficara só:- Posso falar consigo?- Sim!- Eu sei quem sujou o trabalho do António!- Viste?- Sim, vi, foi o Luís!- Não disseste nada…?!- Tenho medo do pai dele! – declarou.
- Porquê?
- O meu pai conhece o pai dele e diz que ele é mau.
- Já te aconteceu algum episódio com esse senhor?- Comigo não, mas sei de outros casos com alunos desta escola…
- Está bem, obrigada por me teres dito!
No gabinete do director, Amélia explicou o sucedido:- Esquece, Amélia! O pai do Luís é meu amigo e vai dar confusão!
- Mas…- Tu não sabes com quem te estás a meter! É gente complicada! Não vale a pena, conheço bem a pessoa.- E que digo ao António?- Ele que tenha paciência, acontece… faz outro trabalho! Para todos os efeitos não sabes quem foi. Ponto final!- E o Luís não vai ter nenhuma repreensão, ele mentiu na aula…- Vai à tua vida! – atalhou de repente o director e sem lhe prestar mais atenção, concentrou-se na papelada sobre a secretária.
- Bom dia – Amélia despediu-se frustrada, revoltada e atormentada com tanta injustiça à sua volta.

PN

Desejo Boas Férias para quem vai ou já se encontra  a descansar!