segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Pensamento de PN

Quando a Humanidade( homens e mulheres) for capaz de fazer um Verdadeiro e Sincero Mea Culpa, vindo das estranhas, sem fingimento, aparência enganosa ou exterior fachada, mas transparente e cristalino como água, própria para consumo, o mundo há-de pular e avançar como bola colorida por entre as mãos de uma criança... e que não peque por tardia....porque se vier demasiado tarde, torna-se irremediável - (Citada uma frase do poema de António Gedeão)

sábado, 12 de setembro de 2015

Aquele menino morto na praia


Não teremos democracia em casa apoiando ditaduras alheias

Na Islândia, o governo anunciou a disponibilidade para receber 50 refugiados sírios. Indignada com a mesquinhez dos números, a escritora Bryndís Björgvinsdóttir lançou um apelo através do Facebook para que os seus compatriotas se pronunciassem sobre o assunto. Em menos de 24 horas, dez mil islandeses prontificaram-se a abrir as portas das suas casas para receber refugiados. A impressionante vaga de solidariedade levou o governo a rever a proposta original. A Islândia, importa realçar, é um pequeno país, com apenas 330 mil habitantes, metade da população de João Pessoa.
Há várias lições que se podem retirar deste episódio: a primeira tem a ver com vergonha e redenção. A enorme tragédia em curso, com vagas de refugiados, de diversas proveniências, que tentam todos os dias alcançar solo seguro, expôs ao mundo uma Europa dividida, enfraquecida e moralmente degradada. Durante décadas, os europeus orgulharam-se da sua suposta superioridade moral. É verdade que a Europa deixou de ser o centro do mundo — reconheciam eles. — É verdade que perdeu os impérios e vem perdendo, a cada dia, influência política e cultural; contudo, é ainda uma referência ética. Vemos grupos de polícias a perseguirem e espancarem velhos, mulheres, crianças, que conseguiram fugir de um país em guerra. Vemos, pois, polícias a espancarem vítimas. Vemos a seguir os cadáveres flutuando no mediterrâneo, porque ninguém os quis socorrer. A imagem do corpo de um menino de três anos, numa praia da Turquia, correu mundo com a legenda: “a Humanidade deu à costa”. Vemos tudo isto e compreendemos, horrorizados, que, afinal, os bárbaros já tomaram a Europa. Os bárbaros estão instalados no poder, na Hungria, mas também em Portugal. Os bárbaros governam o Reino Unido, a França e a Itália. Os bárbaros triunfaram.
A atitude do povo da Islândia devolve-nos alguma esperança na Humanidade, ao mesmo tempo que salva o rosto envergonhado da Europa.
Com a sua resposta rápida e generosa os islandeses mostraram-nos que a indignação, bem dirigida, ainda pode (co)mover as verdadeiras democracias. As democracias — tantas vezes nos esquecemos disto — fazem-se com o povo.
Há poucos dias a Al Jazeera entrevistou um refugiado de 13 anos, Kinan Masalmeh. “Tem alguma mensagem para os europeus?” — foi uma das perguntas. O menino não hesitou:
“Nós não queremos vir para a Europa.” — disse. — “Só queremos que ajudem a parar a guerra na Síria”.
Simples assim. Não teremos democracia em casa, apoiando ditaduras alheias. Não teremos paz, se não houver paz na casa dos vizinhos. Não haverá desenvolvimento para uns, se não houver para todos. A Hungria bem pode erguer os mais altos muros. Israel pode erguer muros. Os Estados Unidos podem erguer muros. Muros degradam sobretudo aqueles que os erguem. Além disso não têm conseguido evitar que milhares de pessoas desesperadas os ultrapassem. O desespero encontra sempre soluções para vencer os piores obstáculos.
O que virá depois dos muros? Ordena-se o fuzilamento dos migrantes? Afundam-se a tiros de canhão as pequenas embarcações que os trazem? Prendem-se os refugiados sobreviventes e todos aqueles que os procurem ajudar?
Não basta que nos horrorizemos ao ver a imagem do menino morto na praia. “Não consigo olhar para aquelas fotografias” — queixam-se centenas de pessoas nas redes sociais. Não conseguem?! Pois é bom que olhem! É bom que vejam o menino morto, e que vejam também todo o imenso horror que o trouxe até àquela praia turca. Somos todos culpados pela morte dele, seja devido à nossa cumplicidade direta, apoiando guerras, ou pela nossa inércia, sempre que desviamos o olhar. Aquele menino continuará a morrer nessa mesma praia, em outras praias do mundo, enquanto não nos mobilizarmos em conjunto para impedir que prossiga a devastação da Síria. Enquanto não nos mobilizarmos todos para que a democracia triunfe em Angola, no Zimbábue ou na China. Enquanto não nos mobilizarmos para impor modelos de desenvolvimento mais justos, que respeitem o ambiente, e ajudem a arrancar da miséria milhões de pessoas em todo o mundo.
Vale a pena recordar aqui o artigo 14 da Declaração Universal dos Direitos do Homem: “Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países”.
O menino morto, nessa famosa foto que tantos não conseguem encarar, chamava-se Aylan Kurdi. Tinha um irmão de cinco anos, Galip. A mãe chamava-se Riha. Só o pai, Abdullah, sobreviveu ao desastre. Espero que um dia ele nos consiga perdoar.
 Enviaram-me por email e não resisti à tentação de o publicar. 

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Avicii - Waiting For Love (Lyric Video)



Esperando o Amor (part. John Legend)
Onde há uma vontade, há um caminho, meio belo
E toda noite tem seu dia, tão mágico
E se existe amor nessa vida, não há obstáculos
Que não possam ser superados
Para cada tirano e seus vulneráveis
Em cada alma perdida, os ossos do milagre
Para cada sonhador, um sonho, somos imparáveis
Com algo para se acreditar
Segunda-feira, você me deixou despedaçado
Terça-feira, eu estava cansado de esperar
Quarta-feira, meus braços vazios estavam abertos
Quinta-feira, estava esperando o amor, esperando o amor
Graças as estrelas, é Sexta-feira
Estou queimando como um fogo selvagem no Sábado
Acho que não vou à igreja no Domingo
Estarei esperando o amor, esperando o amor
Chegar
Somos únicos, insubstituíveis
Como fiquei tão cego e cínico?
Se existe amor nessa vida, somos imparáveis
Não, nós não podemos ser derrotados
Segunda-feira, você me deixou despedaçado
Terça-feira, eu estava cansado de esperar
Quarta-feira, meus braços vazios estavam abertos
Quinta-feira, estava esperando o amor, esperando o amor
Graças as estrelas, é Sexta-feira
Estou queimando como um fogo selvagem no Sábado
Acho que não vou à igreja no Domingo
Estarei esperando o amor, esperando o amor
Chegar.

Nota: Uma ajuda, mesmo não sendo a melhor tradução!

terça-feira, 8 de setembro de 2015

"O Eixo do Mal" e a situação dos refugiados



“ Sobre aquilo que estava na escuridão….Há quatro anos que há guerra na Síria, vamos tentar não afunilar isto, no caso emocional do dia ou da semana, evidentemente que isto é a emoção propiciada pelas novas tecnologias… ela corre a grande velocidade, é importante e não me vou pronunciar se devemos ou não publicar aquilo, aquela tragédia, daquele pai que foge com os filhos e a mulher e depois regressa à Síria para enterrar a mulher e os filhos, é uma tragédia que é replicada milhões de vezes na Síria. Há quatro anos que a Síria está a desfazer-se. António Guterres fartou-se de falar sobre isto mas ninguém o ouviu. Há entre nove a doze milhões de pessoas deslocadas dentro da Síria, no Líbano, onde os Sírios não tiveram um acolhimento, em campos de refugiados oficiais e estão a monte…eu estive lá, vi, vi em pleno Inverno crianças morrerem ao frio. Não houve fotografias dessas mortes. Em quatro habitantes um é refugiado. A Jordânia está atulhada, não tem mais espaço nos campos refugiados palestinianos. No Líbano, nos arredores de Beirute que já de si estavam no limite da sobrepopulação, neste momento tem os refugiados palestinianos que viviam na Síria e refugiados Sírios. A tragédia Síria e a própria desagregação do Iraque, porque o Iraque está a desmoronar-se, é algo com que nós devíamos nos ter começado a preocupar a algum tempo. Eu devo dizer, acho bonito este gesto da srª Merkel, acho que a Alemanha de repente aparece como uma grande potência humanista da Europa, mas é mesmo a srª Merkel que diz que o multipopularismo não funciona.
A GUERRA NA SÍRIA TEM DE SER ACABADA. Qualquer guerra é complexa, a guerra do Vietnam, foi de uma complexidade extraordinária, normalmente ao fim de alguns anos acontecem duas coisas: ou as guerras acabam por exaustão ( foi o caso da nossa guerra africana, a nossa guerra colonial de treze anos e depois a guerra entre a Unita e o MPLA em Angola. Acabam por exaustão e acabam por que há um cansaço … A Síria ainda não está nesse ponto e acabam porque há negociações de paz, há um esforço sério de negociações de paz, coisa que até agora não foi feito por nenhum país, nem da Europa, nem foi feito pelos Estados Unidos, muito mais concentrado pelo acordo iraniano…mas queria só dizer uma coisa que é muito importante, tem a ver com a guerra na Síria. As guerras alimentam-se de armas e toda a gente pensa que o tráfico de armas é feito exclusivamente por traficantes de armas, não, o principal tráfico de armas são os países , tal como a ITÁLIA ARMOU ASSAD NO TEMPO EM QUE ASSAD ERA UM GOVERNANTE LEGITIMO  (entre aspas), a ALEMANHA É HOJE O MAIOR VENDEDOR DE ARMAS AOS PAÍSES DO GOLFO. E os PAÍSES DO GOLFO NÃO ACEITARAM UM ÚNICO REFUGIADO, REPITO, UM ÚNICO REFUGIADO: CATAR, ARÁBIA SAUDITA, DUBAI… EMIRADOS RIQUÍSSIMOS, já não falo no Barém, é que Barém está preocupado com os seus próprios Xiitas…
NÃO FIZERAM NADA PARA QUE AS CONVERSAÇÕES DE PAZ FOSSEM INICIADAS. A própria Rússia neste momento está interessada em conversações de paz porque já percebeu que é a Síria, já percebeu o que são estes fluxos migratórios e no caso do Reino Unido, a França, a Alemanha e os E.U.A. continuaram a ARMAR  e a VENDER ARMAS aos Países do Golfo.
Houve uma corrida às armas desde que rebentou a guerra na Síria.
A Alemanha É O MAIOR VENDEDOR Europeu de armas e é o país que MAIS DINHEIRO FEZ, em 2014, na Europa a VENDER ARMAS À SÍRIA. É bom que recebamos estes miseráveis , estes desgraçados, coisa que não fazemos com os pobres dos SUBSARIANOS.
DANTES HAVIA MANIFESTAÇÕES CONTRA A GUERRA, É PRECISO QUE VOLTE A HAVER MANIFESTAÇÕES CONTRA A GUERRA. Aquela guerra tem que acabar. Não só por causa dos Sírios e do sofrimento Sírio, mas porque para a EUROPA É IMPOSSÌVEL RECEBER MILHÕES DE PESSOAS, JÁ NÃO SUPORTA O PESO SOCIAL DESTA GUERRA.”
Nota: A opinião que consta aqui é de apenas uma pessoa, que gostei particularmente.




sábado, 5 de setembro de 2015

COMO O DINHEIRO NOS TRANSFORMA ( leia o restante do artigo como comentário)










Os cientistas já sabem por que razão gostamos tanto do “vil metal”. O “vil metal” que nos torna irracionais
LOUCOS PELA MASSA ; A ânsia de possuir dinheiro causa todo o género de problemas, mas também representa aquilo de mais parecido com a felicidade que podemos palpar. Não é de estranhar que se tenha tornado, segundo os psicólogos, uma das principais causas de perturbações e doenças mentais.
O QUE O DINHEIRO NOS FAZ….Alguns neuroeconomistas acreditam que receber uma grande quantia de dinheiro tem efeitos biológicos visíveis no organismo.
GANHAR UMA BOA SOMA FAZ DISPARAR AS HORMONAS.
UMA DROGA. O caso da “ economia do comportamento”, uma disciplina que já deu vários prémios Nobel, como Daniel Kahneman. O investigador mediu a actividade do cérebro em pessoas que participavam num jogo de apostas e verificou que o dinheiro desencadeava a mesma actividade cerebral de um sabor agradável ou uma droga viciante.
O dinheiro activa as áreas cerebrais relacionadas com o prazer.
Tão bom como uma ópera preferida ou um chocolate .
O DINHEIRO TORNA-NOS AGRADECIDOS
Os incentivos económicos podem AMEAÇAR a solidariedade.

Nota: A continuação do artigo encontra-se no meu comentário... agradecia que o lessem, parece que a censura chegou aqui, como se eu estivesse a escrever algo inédito, foi retirado de uma revista, onde todos podem ler ....enfim, peço desculpa pelo transtorno!  

PN

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Via sacra de BentoXVI e Dinheiro Sagrado








Vaticano
 Tudo o que aqui está escrito, foi transcrito de dois programas  que foram transmitidos sexta feira e sábado, 21 e 22 de Agosto de 2015, na RTP2.
VIA SACRA DE BENTO XVI
(Documentários)
Na sequência da primeira renúncia papal em 600 anos. Gianluigi Nuzzi; Jornalista e investigador, examina os oito anos de papado de Bento XVI. O documentário é a história de um Papa isolado nos edifícios do Vaticano, rodeado de lutas pelo poder e escândalos sexuais e financeiros. Uma via Dolorosa de oito anos. Pela primeira vez na história do Vaticano, um papa coabita com outro. (B.XI & Francisco). A atitude de Bento XVI foi a mais revolucionária nos últimos dois séculos. Ficou só e isolado mas dizia: “ Eu não estou só, quando todos saem, Deus fica comigo. “

DINHEIRO SAGRADO
Sacerdotes acusados de corrupção, donativos desviados para pagamentos de sexo, dioceses em falência, investigações de lavagem de dinheiro e no centro de tudo isso, os negócios obscuros do Banco do Vaticano – Pelo professor e historiador John Dickie.
 A cúria (Santa Sé ou Sé Apostólica ou Estado da cidade do Vaticano) encobriu duas questões trágicas: Sexo/Pedofilia e o problema da Banca (IOR) / Dinheiro.

Uma igreja em falta, maculada pelo próprio clero. Quanta imundície há nesta igreja, quanta soberba, quanto egoísmo – Bento XVI
Afinal quem é Bento XVI?
Um homem que percorreu uma via sacra pessoal. Um intelectual, um livre pensador, um revolucionário até ao âmago. Sabia as dificuldades e os problemas que iria encontrar neste governo, conhecia as suas próprias limitações. Sentado no conclave sentia a guilhotina descer sobre ele. Sabia que tinha de lidar com um legado difícil, cheio de questões escaldantes por resolver. A via sacra de Bento XVI começa pelo legado do seu antecessor. Esforçou-se por garantir a continuidade, mas preferiu ser o estudioso de teologia porque não conseguia reproduzir a imagem de João Paulo II na comunicação social. Bento XVI era um professor modesto e humilde. Não brilhava como João Paulo II. Era um homem muito tímido e aparentava não poder com o peso do seu próprio corpo, a sua fragilidade dominava o corpo. No entanto, conseguiu impor o seu estilo pouco a pouco e os católicos aprenderam a gostar da sua forma de ser. Bento XVI tornou-se o herói dos conservadores, mostra-se um comunicador com outras religiões, quando visitou o mundo Islâmico . Também a relação com o Judaísmo. Os momentos mais infelizes no papado de Bento XVI:

Quando um bispo nega o Holocausto.
Bento XVI recusa o uso do preservativo no caso da SIDA. Diz que a solução não passa por aí, pelo contrário, aumenta os problemas. O uso do preservativo agrava o problema.
A relação com o mundo homossexual
Como é que os Conselheiros de Bento XVI não o aconselharam a evitar tais gafes? É um papa abandonado à sua sorte por uma cúria dividida. Terá sido a sua saída precoce que o fez voltar para os problemas agudos da igreja?

Toda a história de João Paulo II herda-a Bento XVI, que criou a Autoridade Informação Financeira para combater as irregularidades do IOR (Instituto para as obras de religião) mais conhecido como Banco do Vaticano, banco que provocou uma das maiores crises; e o Vaticano acabou na lista negra.

 João Paulo II deu margem para a Cúria sentir-se senhora e dona de tudo... A prioridade de João Paulo II era derrubar o comunismo. Bento XVI busca a transparência.

Era preciso uma igreja menos conflituosa, livre de venenos; desta forma não é cristã. A igreja tem contradições que não fazem sentido nem acompanham os problemas dos fiéis. A sociedade é acaba por impor  o debate das grandes questões como o aborto, o casamento gay, o uso do preservativo, etc.  (O tempo não deixa nada inalterado e o mundo mudou).

A riqueza do Vaticano tem as suas raízes no sec IV, quando o imperador Constantino, depois de se converter ao Cristianismo, colocou à disposição do Papa Silvestre I uma imensa fortuna. No sec XX, o governo fascista de Benito Mussolini também foi generoso com a igreja. Mediante a assinatura do Tratado de Latrão (1929) , o governo italiano outorgou à Santa Sé uma série de garantias e medidas de protecção, inclusive o reconhecimento do Vaticano como um Estado soberano, isentando-o de tributos sobre as suas propriedades e sobre as suas importações. A igreja católica deixou de ser pobre, tem um património imobiliário enorme. Alguns anos depois, em 1933, foi estabelecida a Concordata com o Reich,  através da qual o governo nazista garantiu à Igreja Católica o direito de continuar cobrando o Kirchensteuer, o tradicional tributo eclesiástico estadual que os fiéis alemães pagavam às suas igrejas (católicas, protestantes ou outras). O imposto que se mantém até à actualidade.

Escândalos e mais escândalos. O IOR está condenado, quem pensar em IOR, é o mesmo que pensar em tudo o que é mau. Mudar o nome não basta. O IOR não tem remédio. O IOR era um offshore no centro de Roma.

Em relação à pedofilia, desde os anos 90 que se intensificaram os abusos. A João Paulo II e Bento XVI, foi-lhes atribuído a culpa pelo silêncio. B XVI era muito fiel a Karol wojtyla, foram ambos responsáveis pelo estado da situação actual da igreja. Karol Wojtyla era polaco e sabia que os comunistas para desacreditarem nos padres, acusavam-nos de pedófilos e isso fez com que Karol não acreditasse na pedofilia. 

Nos Estados Unidos muitos padres abusaram de dezenas e dezenas de crianças. Depois, os padres eram transferidos para outras paróquias e continuavam com as mesmas práticas.

Em 2010, o Papa pede desculpa aos católicos irlandeses e condena o código de silêncio. As acções de B.XVI vão mais longe; quem abusa deve ser afastado e expulso.

“ Já não posso viver com esta igreja” – B. XVI

Os escândalos da Igreja esvaziam os cofres do Vaticano. São escândalos atrás de escândalos, o próprio mordomo do Papa não escapou da acusação de revelar documentos secretos.

Há vontade deste de BVI pôr a casa em ordem, de proceder à sua limpeza. Mas tem dificuldade na sua purificação.

Há uma crise política, uma crise económica, uma crise moral da cúria.

B.XVI tinha o propósito de esclarecer estes temas e as lutas internas pelo poder. A igreja está desfigurada e papa extenuado e com muitas inimizades; depois de deixar o cargo, no dia seguinte parecia um homem acabado de sair da cadeia.

O Papa B. XVI faz coisas que o seu antecessor não pode fazer ou não quis fazer  e não encorajou outros a fazerem.

O papado de B. XVI foi mais importante do que aparentemente se julga. Tomou medidas mais sérias , mais contundentes , mas não foram suficientes , fê-lo, apesar das problemáticas que o envolveram. Apesar da sua fragilidade, foi o que mais medidas tomou contra vícios e as pragas que lavravam a cúria.

A riqueza da igreja gera controvérsia, como potência  financeira global, com negócios em todo o planeta.

B XVI foi boicotado pela cúria, pelos conflitos internos tremendos.

O papa Francisco tem muito para fazer:

Padres que desfalcam a caixa das esmolas
Arcebispo que investe num canal pornográfico
Um império imobiliário oculto
Acusações de lavagem de dinheiro e corrupção
Vítimas de abusos sexuais alegadamente privadas de indemnização

Porque é que está a igreja católica tão atolada em escândalos financeiros?

Pode a igreja conciliar o dinheiro com a moral?

Papa Francisco- “ Ter mais e mais e mais, empurra para a idolatria, destrói a relação com os outros”
“ Não podeis servir Deus e o dinheiro”
Desde a chegada do Papa Francisco que as reformas aceleraram-se
“ O reino de Deus não consiste em palavras mas em virtude”

O estado Italiano e o Vaticano formam uma aliança proveitosa para ambas as partes.

Papa Francisco – “ Judas começou como pecador ganancioso e acabou corrompido. Quanto mal fazem os corruptos às comunidades cristãs? Pecadores sim. Corruptos não?

“ Uma forma de se ficar bem com Deus é SUSTENTANDO a igreja?”

“ O amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de mal”

Papa Francisco   - Se seguirmos os caminhos da riqueza, se seguirmos o caminho da vaidade , tornamo-nos lobos em vez de pastores.

“ Honra o senhor com a tua riqueza , com as primícias de todas as tuas colheitas”

 “ Não nego que a igreja faz tanto bem à comunidade e tem o direito de proteger os seus bens. Não há dúvida que a igreja católica Romana fez e faz um bem enorme mas também não há dúvida que tem um enorme poder, a fim de conservar esse poder para fazer o bem, cometeu e continua a cometer crimes sistemáticos para esconder o que fez para conservar a reputação.
É neste contexto que tanto faz o bem, como o mal e permite a ocorrência do mal.

Gastaram milhões e milhões de dólares para encobrir os casos, crimes e certificar-se que nenhuma vítima recebe qualquer compensação pelo sucedido.

Papa Francisco “ O dinheiro é o esterco do diabo”

“ Fazer o bem, amar o próximo, cuidar dos pobres: eis alguns dos princípios do catolicismo que tocaram e convenceram pessoas em todo o mundo, a doar bens e imóveis para as boas obras da igreja e obras de arte para proclamarem a sua mensagem.

O próprio Papa Francisco está a dar o exemplo. Rejeitou muitas regalias inerentes ao seu cargo, faz-se conduzir num carro velho e prefere um quarto de hotel à majestade do palácio apostólico.
O dinheiro serve porque é útil senão é um impedimento à missão.
“ …O ouro, o escarlate, as rendas para Francisco, parecem mais um símbolo de privilégio do que serviço.
“ Ele está a tentar torná-los mais discretos, existem algumas provas de que está a resultar.
Há quem pense que com este papa, o simples, é o novo chique.

A pressão para a mudança na Igreja católica é aguda; escândalos e mais escândalos sucessivos, enfraqueceram a sua autoridade, mancharam a sua reputação, enlamearam a sua mensagem.
O papa Francisco está a tentar pôr a casa em ordem, abriu as contas do Vaticano ao escrutínio público, está a atacar a ganância, a avareza, a ostentação…mas o caminho que o espera pode ser difícil.
Ele irritou muita gente e não apenas no Vaticano…

A igreja tem dois mil anos para que as reformas de Francisco sejam bem sucedidas terá que mudar mais rápido do que em qualquer outra época histórica.
No entanto, no fim da viagem pergunto-me se a igreja não estará condenada a uma relação amor/ ódio com o dinheiro.
Se o Papa Francisco não resolver as questões financeiras da igreja praticamente de mais nada interessará o seu papado."

 Nota( Nada do que está escrito é da minha autoria, transcrevi o que os vários protagonistas do programa falaram e atenção, o programa é muito mais complexo e mais vasto, quem se sentir interessado em saber mais, terá de assistir ao mesmo!) 
PN 



quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Crise de refugiados é o "maior desafio do século XXI"

Teresa Pina, representante da Amnistia Internacional em Portugal, considera que a União Europeia deve ter uma resposta global e coerente à "maior crise de refugiados" desde a II Guerra Mundial. - See more at: http://www.rtp.pt/noticias/mundo/crise-de-refugiados-e-o-maior-desafio-do-seculo-xxi_v855863#sthash.t7g5MCy0.dpuf

A Amnistia Internacional fala de uma ajuda "episódica" que Bruxelas tem oferecido aos milhares de migrantes que chegam à Europa. Para Teresa Pina, o acolhimento de 100 mil refugiados, tal como sugerido hoje por Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, constitui o "mínimo aceitável". Na visão da especialista, o atual sistema de ajuda humanitária aos refugiados é "um absurdo" e demonstra uma forte fragmentação entre os países. Teresa Pina reitera que a prioridade dos Governos deve ser "salvar vidas" e a solidariedade entre estados-membros, e não a desresponsabilização ou o controlo apertado das fronteiras. - See more at: http://www.rtp.pt/noticias/mundo/crise-de-refugiados-e-o-maior-desafio-do-seculo-xxi_v855863#sthash.t7g5MCy0.dpuf