domingo, 24 de abril de 2016

Depois de mim


                                        "A morte de Marat" por Jacques - Louis David 1793 
                                         ( Outra versão encontrada na NET) 

Depois de mim, máquinas  e homens
hão-de rasgar novas estradas
novos caminhos e outros abismos.
No lugar dos postes de luz
santos mártires de braços abertos
olhos enfermos, fixados em nós
confusos  e desorientados…
…cordões ao pescoço com santas desoladas,
cabeças erguidas,  em oração lavadas
Alguém me há-de atraiçoar
desamparada, nos  tropeções da queda ,
 por fim, o corpo há-de terminar
na fundura do pó e do nada;
a alma, se destinada a se salvar, buscará o tal sagrado lugar…
    
( Inspirado num sonho)
                                                                                   Delta Nascimento (através do Facebook)
Nota: a fotografia seleccionada é da autoria da pessoa que escreveu o poema

2 comentários:

Jaime Portela disse...

Os sonhos também inspiram os poetas...
O poema é excelente, parabéns à autora, que não conheço.
Também gostei da versão de "A morte de Marat" que usaste.
Boa semana, querida amiga PN.
Beijo.

rosa-branca disse...

O que seria do poeta sem sonhos? O poema é lindo. Pedras Nuas tem uma boa semana e beijos com carinho