domingo, 14 de agosto de 2016

Não posso deixar em branco


Peço desculpa pelo texto longo e algo violento, mas é o que me vai na alma e na memória:

Um grito de revolta contra o que se vive nestes dias.
Mais uma vez se lida com a tragédia dos incêndios com irresponsabilidade usual. Mais uma vez ouvimos líderes a apelar a calma, a solidariedade e a oferta de produtos.
No entanto nem um,nos explica de forma sincera o porquê de sempre ter havido :
- Dinheiro para estádios e os bombeiros a venderem rifas para construírem quartéis.
- Dinheiro para o clube da terra (mesmo que as bancadas se mantenham vazias) e alguns bombeiros a pagarem as próprias botas.
- Rotundas luxuosas, pavilhões em tudo o que é freguesia e os bombeiros a pedirem dinheiro no Natal.
- Benefícios fiscais para hotéis e campos de golfe e os bombeiros excluídos das isenções nas taxas moderadoras de acesso a Saúde.
- Parte das Forças Armadas com centenas de oficiais gordos, caros e inúteis e muitos comandantes dos bombeiros a trabalharem em part-time.
- Frotas automóveis dos ministérios, luxuosas e renovadas a cada quatro anos e os bombeiros a terem de receber doações de ambulâncias e viaturas de combate de emigrantes, diversas associações, rotários e por aí fora.
- Portugal a receber aviões de Espanha e de Itália e os sucessivos ministros da Defesa a bloquearem a acção da Força Aérea no combate aos fogos.
- Líderes a insultarem o povo que "atira beatas" e "faz churrascadas",enquanto se mantém incapazes de montar uma política de prevenção e um plano de gestão territorial.
- Sucessivos governos a assinarem contratos com empresas privadas de meios aéreos. Contratos milionários,corruptos e quase inúteis. E aquele casal da A1 a gastar 800 euros para oferecer água, porque a BRISA coitada, não tem que chegue da sua choruda PPP.
- Bombeiros a tombarem mortos e incendiários a serem postos em liberdade !!
Não me peçam por isso que apenas acenda velas, ofereça leite ou reze pais nossos a Deus. Sou crente e não ponho em causa a solidariedade. As vezes rezo e sou solidário conforme posso.
Mas rejeito alinhar mais uma vez em prantos, lamentos e campanhas fofas que não resultarão em nada a não ser na sua repetição no Verão de 2017. Não questiono a solidariedade, exijo isso sim prioridade.
Se queremos ajudar os bombeiros teremos que estar prontos para exigir mudanças, manifestarmo-nos por elas.
E neste momento cabe ao Estado pagar tudo o que os bombeiros precisam.Porque o dinheiro do Estado é nosso!
Ganhei nojo a este repetitivo ciclo de hipocrisia. Para mim acabou.
Em nome do respeito pelos nossos bombeiros e também respeito por nós enquanto contribuintes. A solidariedade deve ser usada enquanto apoio perante algo inevitável ou cuja falha, nós seres humanos falíveis, possamos entender. Aí sim, todos nós nos unimos em solidariedade. Já o fizemos e continuaremos a fazê-lo.
Mas quando aceitamos que a solidariedade seja substituto a dignidade e eficácia do Estado, então não somos solidários, somos otários. E até Deus já perdeu a pachorra para otários.”

( Através do Facebook) 


3 comentários:

AC disse...

Somos todos uns otários, oh se somos! E, o pior, é que não temos cura!

Um beijinho, Pedras :)

Petrus Monte Real disse...

Todos os anos sofro
com o flagelo dos incêndios!
Considero que este é um problema nacional
que nos deve preocupar
cada vez mais: julgo que este ano "a coisa" se agravou
porque os obscuros
interesses económico-financeiros também aumentaram!
Aliás, é sintomática a demissão de quadros
a nível de chefias da Autoridade de Protecção Civil!
É urgente que se faça algo
em prol das matas, plantações,
florestas, meio ambiente, cursos de água,
fixação da população no interior, etc.
Creio que está tudo ligado!

Este post é um precioso contributo para o debate.
O que é que cada um de nós pode fazer
para travar, no próximo ano, o flagelo?
Que fazer para reduzir números, tão negros,:de mortos,
danos pessoais e "área ardida?

Sugiro uma coisa: acabar com "o espectáculo"
montado à volta dos fogos, TV incluída,
que se aproveita da miséria humana
e da mão criminosa para cativar audiências!

Alguém tem que começar!

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, o texto tem toda a razão, pena que o mesmo não refira os cortes que ouve no financiamento da parte do governo entre 2011 a 2015 para combater os incêndios e outros sectores como a saúde e a educação. "Em nome do respeito pelos nossos bombeiros e também respeito por nós enquanto contribuintes" tenho esperança que no próximo mês de Outubro vão ser tomadas medidas a serio para o combate aos incêndios.
Boa semana, sorria!
AG