quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Ventos de monarquia

Diálogo entre Intendente ( tem a seu cargo a direcção ou administração de alguma coisa)  e Coronel

I – Que diabos é isso?
C – São as contas do mês, senhor.
I – Novecentos mil reis de “francho batalhão”!
C – A gente precisa comer e se vestir.
I – Que exagero, parece-me que agora é tudo seda tafetá!
C – A carestia é geral, todos os géneros são mais caros, é claro, o melhor vai para a corte. São doze mil homens a mais no Rio de Janeiro, desde a chegada da família real.
I – Precisamos de mais impostos!
C – Mais impostos, senhor? Tudo já está tão taxado. Depois o Intendente não tem poder…
I – O poder sou eu! Precisamos de dinheiro para a Intendência, taxas! Teremos impostos para as prostitutas, para as galinhas, para as aves de arribação. Você tem o meu aval!...nem que tenhamos que taxar o ar que esse povo respira! Está esperando o quê, Coronel?
C – Sim, senhor! 

Série brasileira  “ Liberdade Liberdade”

                       Intendente                                                    Coronel