sábado, 18 de março de 2017

Coisa de “Moscas”



O asfalto inclina. A Mosca Anã reduz o andamento. Mais à frente; um largo conspurcado de latas vazias, de papéis surrados, plásticos adiposos. Puxa o freio, a máquina derrapa.Apeia-se.Aguarda-a a rainha Vareja; a do verniz estilhaçado. A Anã, antecipa apressadamente o abraço, o cumprimento não desmancha a imperturbável majestade, vaidosa imperatriz do lixo costurado, solta um grunhido displicente, o rosto incha de tão pérfida maldade. A mosquinha indignada, escancara as narinas, em tom esganiçado:” Sou sempre a má da fita, a embusteira, logo eu que me esmero tanto”. Sua alteza, torna-se sombria e desfia metálica: “Aborto mal parido, cigarro apagado, dente furado, não tomas a palavra sem antes consultar a minha!” Faúlhas de raiva a coser por dentro, o dedo em riste:”Sai daqui indigente, este lugar é meu, por sufrágio universal direto! Excomungada, coisa tirana, busca outra morada.” A Anã, em pranto se desfaz: “Não acredito que me estás a expulsar! sempre te defendi! assim pago pelo mal que não fiz!? São as outras, não vês que são as outras, que te colocam contra mim?!”.”Chega de carpir, sai daqui!”- ordena sua alteza. A mosquinha dirige-se ao carro, a Vareja fixa-a inquieta, desconfiada. Mal se ajeita no assento do volvo, liga a ignição, já distante, ri-se baixinho, gargalha e até uiva; por fim, raivosa: “Velhaca! Um dia lixo-te!”A Vareja cogita:“Vai para o diabo, o meu trono nunca o ganharás!”  
( Recriação de um poema já editado)

PN 

segunda-feira, 6 de março de 2017

Alinhavo sobre o joelho

Festival = Festa de amigos para amigos.
Participantes = Algumas vozes sonantes e estreantes = Canções sem qualidade.
Vozes grandiosas de jovens mas em poemas imperceptíveis ?
Posturas em palco = Alguns sem postura?
Houve quem se esquecesse onde se encontrava … devia imaginar-se em casa. A voz salvou-se mas o poema não! Sem a utilização de uma maquilhagem, vestindo escuro… com um aspecto demasiado pesado… sem brilho, sem cor… ?
Apostei no Pedro Gonçalves! Para mim, o único, postura e voz mas canção em inglês = Erro? = Pode ser, de qualquer forma o “jogo” é fora e às vezes somos forçados a jogar com as mesmas “armas” para se ser aceite. Não é o que tem sucedido em relação à economia? Fazemos o que para nós é correcto? Continuamos na fasquia do lixo!
As regras da festa estão viciadas e não se pense que é só no exterior que começa o boicote. Dentro há vícios, os amigos, compadrios, manias … Uma concorrência desleal!
As linhas telefónicas abertas? Será? Desconfio!
Vence = Canção de embalar = Má postura em palco para o que se espera num Festival Eurovisão da canção = outro poeminha adolescente.
Assim, nunca chegaremos lá! 
PN