domingo, 7 de maio de 2017

Teresa



Teresa tem os dias trocados;
os ponteiros fugiram das horas,
as datas desprenderam-se do calendário
as estações vagueiam desgovernadas
e desconhece as figuras de estado.
Teresa ficou à margem
sorriso em jardim de sol aberto
incêndio em lábios de espuma
Ora tempestade, ora tranquilidade…
Basta aquiescer
amenizar os sons desarticulados
Vocábulos exasperados, vacilantes
bêbedos, por entre lentes individuais
Teresa, assaz palradora, quando menos se espera
saltam termos imprevisíveis, numa lógica atinada,
colorida, ritmada, bem timbrada e bem humorada.
Num estalar de dedos, eis que, rebenta provocação…
e Teresa desprevenida não se contém;
Os olhos não distinguem fronteira entre bem e mal,
certo ou errado; polido ou desengonçado
Resta um embaralho amalgamado …
memória míope resvala por ali abaixo, num tropel sem refreio
sem tino, a partir cascalho, trovejando penedos;
Uma fera a cuidar das crias, com tantos receios…
Ninguém atice a sua ira! É imperioso aplacar a raiva
Não lhe mostrem que é preto o que afinal aos olhos dela, é branco;
Momentos ensombrados, momentos surreais, momentos cruciais
Teresa não encolhe a língua
acérrima devota da espontaneidade
Teresa quer apenas o doce de um abraço, um terno beijo, uma palavra quente e branda.
Teresa já tem a idade lá mais para o fim da tarde
onde o ocaso cresce dentro do quarto, desliza tecto acima e lembra o céu…
E a claridade divina abre-se compreensiva ante os olhos febrosos;
sem sombra de mentira, ou fingimento, ou brilhos adulterados
ou maquiavelismos pintados
E se alguma vez aprendeu, já esqueceu
Há quem se ofenda
com as profícua exactidão
Quem a acuse de ser astuta e intragável
aquela que atira tudo à cara; mas…;
“A sra Dra é formosa como uma rosa” ou
“ A sra está gorda como uma porca”
Teresa não segura nada, … às vezes rajadas de metralhadora
chovem em todas as direcções e ai de quem tenta
açaimar -lhe a boca…
Se porventura, alguém lhe coloca a mão no coração
Teresa rende-se, derrete-se … põe-se um luzeiro
Sensata, prudente, confiável
pertinente, humor refinado,
perspicaz
gargalhada sonora e escancarada.
Teresa aprecia as plantas, flores e árvores de fruto e cães mansos…
fachadas de prédios grandes e antigos…
Teresa, ela mesmo, é a mais linda rosa, a menina de um qualquer jardim florido
PN
7 de Maio



                           NET

Sem comentários: