sábado, 17 de junho de 2017

Alinhavo sobre o joelho



As gaivotas ziguezagueiam sob uma abóbada alta, volteiam-se aladas em pontos brancos e cinzas…
Quando os nossos olhos descem, decifram curiosos a construção erigida sobre o monte.
Uma capela, ali, solitária, suspensa, numa onda alterosa, coberta de verde manto; verde mocidade, espevitado, pujante.
Depressa, aquele lugar, atiça o meu interesse. Lá em baixo, no sopé da montanha, no vale, gargalo apertado, raras habitações dispersas. Por aqui, há vestígios, resquícios de ruínas, de rochas estéreis, e, ainda assim, por entre as fendas e aberturas, refila alguma vegetação exuberante, copiosa; É o prodígio da vida.
“ A senhora perdeu-se?”
“Não, estou a apreciar a paisagem.”
“ Ah, sim?! Já avistou a capelinha no alto daquele monte?”
“ Já”
“Mais logo haverá uma procissão, começa lá em baixo, sobe até lá acima, por aquele carreiro e depois da Celebração, voltamos a descer até à praia, os barcos esperam-nos, navegamos rente à costa e depositamos flores no mar.”
“ Celebram o quê?”
“O Senhor dos Milagres, a vida, minha senhora, e não se pasme; é fúria de viver!”
“Fúria de viver?”
“Sim, senhora, fúria de viver, esta terra admirável é nossa, herdada dos nossos antepassados, como tem uma bela vista e boa situação geográfica, querem-nos daqui para fora, para quê? Construir hotéis e outras infra-estruturas… julgam que podem tomar conta do que é nosso…”
“ Compreendo a vossa indignação”
“Então, fique por cá, seja testemunha da linda procissão que aqui se faz, eu sou um dos transportam o andor, tenho de ir, se quiser subir connosco…”
“ Subir? Não sei, parece-me demasiado íngreme e sinuoso”
“ Não tenha medo, de qualquer forma, o convite está feito, vai gostar! Boa tarde”
“Boa tarde”
O sol farto, o mar ali mesmo; frente aos meus olhos… a terra lateja, o meu coração goteja …

PN

2 comentários:

Existe Sempre Um Lugar disse...

Olá, uma bela historia que é real no momento, "querem-nos daqui para fora, para quê?" isto passa-se nas ilhas barreiras da Ria Formosa, ilhas quase selvagens e outras totalmente selvagens com areia fina dourada e agua do mar a rondar os 26º no verão e no inverno os 20º, vão destruindo as casas com mais de 40 anos dos moradores(pescadores), com a desculpa que é para proteger as ilhas, os moradores sabem que é para construção de hotéis no futuro, isto tudo começa com o (des)governo do incompetente Passos Coelho e da múmia cinzenta, algarvio que viveu em Belém, primeiro o que conta são os grupos económicos, depois, conta os grupos económicos, a seguir, conta os grupos económicos, depois destes, conta os grupos económicos, etc. etc. etc.....etc.
Feliz domingo.
AG

Manuel Luis disse...

Heranças dos nossos antepassados.
Bjs