quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Alinhavo sobre o joelho

Porque existe o mal? 

com Morgan Freeman

“Em crianças quando somos confrontados com o racismo, ficamos perplexos. Porque existe isto? De onde vem? “ MF

Apesar de toda a nossa capacidade de fazer o bem, o impulso de praticar o mal tem sido uma praga na história humana.

Se acreditam que vivemos num mundo sob controlo divino, porque deve o mal existir? Como invade as nossas vidas? Como e´ que o mal conquistou os nossos corações?
As religiões combatem o mal de diferentes formas e rituais.

Temos duas mentalidades, uma boa e outra má. Para transformar as trevas em luz.
Algumas confissões consideram-no uma força invisível que impregna o mundo inteiro. Demónios espreitam na escuridão. Para o cristianismo pode ser o próprio demónio ou será o mal uma coisa que vem de dentro de nós?

Mas a pergunta é: Mesmo assim, um criminoso não continua ele a ter escolha? Será um criminoso capaz de escolher não cometer um crime hediondo?

O peso no coração assume a forma de  medo das consequências, é a única coisa que nos mantém no caminho dos justos. O que me leva a perguntar… se somos inerentemente bons ou inerentemente maus? A resposta está na raiz da fé cristã. Os primeiros livros da igreja traçam a nossa tendência para pecar até Adão e Eva que comeram o fruto proibido, o pecado original.

O que é o pecado original? A tradição cristã cunhou um pecado original, um desejo primitivo que todos temos. É uma necessidade, um impulso humano de natureza muito básica. Porque Adão pecou. O pecado original foi transmitido a sucessivas gerações, perpetuado, uma após outra geração. Um homem que mata e viola por prazer e não sente arrependimento, pode ser chamado de coisa demoníaca. É demoníaco. Mas penso que é importante reconhecermos que existe um pouco dele em todos nós. Há algo inerente em nós que parece inclinar-se para a morte e a violência.
- Será o diabo? Ou isso é apenas uma metáfora?

Nascemos com a capacidade de fazer o mal. A maioria de nós, luta uma vida inteira para resistir à tentação, para resistir ao que está errado. Mas pode haver outra fonte de mal nas nossas vidas; as pessoas que nos trouxeram a este mundo, estejam vivas ou mortas.
Uma das mais antigas e influentes religiões do mundo mas a maioria de nós nunca ouviu falar dela, chama-se zoroastrismo, teve início há 3 mil e quinhentos anos, do antigo irão. O fogo é um símbolo do zoroastrismo. O fogo esta sempre aceso. Representa a iluminação. Quanto mais conscientes estamos do mundo em que vivemos, quanto mais sabemos o que nos espera, melhores decisões podemos tomar. É como caminhar com uma lanterna na mão. O lema zoroastriano é “ bons pensamentos, boas palavras e bons atos”

É uma religião que se concentra na derrota do mal. O zoroastrismo é anterior às religiões que reverenciam Abraão. Para muitos zoroastrianos, o demónio já não é uma figura real, é um combatente interior, a luta entre o bem e o mal que tem lugar na mente.

A escola de pensamento zoroastriano não tem que ver com passado ou futuro, mas com o que podemos fazer no tempo atual. Todos os nossos problemas, os do mundo, são causados pelo homem. Como tal, devem ser resolvidos pelos homens. Culpar uma força sobrenatural, não é uma noção zoroastriana.

Purgar o mundo do mal não é tarefa de Messias, de reis ou profetas. É tarefa de todos nós. Sejamos alfaiates, talhantes, vendedores ou atores. Quem quer que sejamos. Gosto disso. MF

A pergunta proverbial é se assaltaríamos um banco, se soubéssemos que ninguém poderia saber que o tínhamos feito. E acho que se formos honestos connosco, muitos de nós entrariam e levariam todo o dinheiro.
A recompensa do paraíso e a ameaça do castigo eterno ao inferno, mantem-nos no caminho certo. MF

Mas e aqueles que sucumbiram ao mal? Pode a fé conduzir-nos à redenção? Ou será que o mal nos marca para a vida? Fará parte da condição humana? Muitas confissões incitam-nos a combater a tentação. A colocar o bem maior, o bem de todos acima do seu interesse pessoal mas será isto é possível? 

Os budistas tibetanos acreditam que a necessidade de praticar o mal deriva da nossa ignorância, do funcionamento das nossas mentes. Para que possam compreender a sua causa e vencê-los. Mas nem todos querem combater os seus demónios interiores. São muitos os que parecem condenados ao fogo do inferno por fazerem coisas más. Haverá forma de os mudar?

Segundo estudos, o cérebro de alguém que mata é diferente daquele que não mata. A ciência pode ajudar a identificar os mais propensos para o mal, mas como se volta costas a uma vida de maldade?

O que nos dá esperança de que as pessoas podem mudar são aqueles casos de transformação absoluta, casos reais, um homem que conheceu uma mulher, apaixonou-se tiveram um filho e ele mudou completamente a sua vida, anteriormente entregue ao crime. O mal pode ser contido? Esta esperança está no centro da fé cristã. As pessoas pecam, mas os seus pecados podem ser lavados através do batismo. É um recomeço de vida. A bíblia diz-nos que adão e Eva não conheciam o mal até comerem o fruto proibido. Quase todas as confissões religiosas contam a história do início do mal, terá começado em almas infelizes? No próprio demónio? Ou nos nossos demónios interiores? Todos acabamos por ficar frente a frente com o mal.


O sofrimento que provoca fazer  bem e mal? Sem o mal, como teríamos desenvolvido características humanas únicas? A capacidade de expressar bondade, a misericórdia, o perdão. MF

FIM 






Sem comentários: