sábado, 25 de novembro de 2017

Oh, José!

Oh, José, se tivesses acreditado 
no Deus que te habitava...
a tua caravela tinha seguido outro rumo.
Não  içaste o pano e os ventos não  fazem milagres. 
Lembravas-me Pedro, o pescador;
constantemente a escarrar pragas, 
a cuspi-las por entre os dentes maldizentes. 
Pedro desconcertado, trovejador
Oh, José, via-te impotente ;
e repetias sem cessar:
- Já  sei que sou um diabo! Quando eu morrer,  todos vão  ficar  descansados ,   sou o bicho mau!  
Poucos viram o homem honesto, jamais ladrão 
poucos vislumbraram a tua inteligência
poucos te olharam e descobriram o teu corpo
em forma de poesia ; caixa craniana com medidas rigorosas 
  grandes olhos  azuis, lábios grossos, unhas cavadas e tratadas, mãos esguias... 
Mas que vazio,  que fastio, que insatisfação,
encurralado por mulheres contraditas, manipuladoras, 
generalas, rainhas e uma única submissa, não menos
feroz que tu próprio. 
Sei que querias um mundo à  parte, talvez outra época 
Havia em ti um ermita, habituado à  penitência, 
longe das gentes, isolado no teu próprio  degredo
humor de cão , sombrio de tempestade
sisudo de fechado , turvo de trágico , casmurro de vilão  . 
Ansiavas pelo sossego da solidão,
uma solidão que te esburacava por dentro, 
e te desterrava até  ao mais fundo da alma
Atormentado por uma cratera de vulcão,  ardias todo em  brasa.
Querias paz, uma paz de pés nus, descalços, 
sacrificada, num reino insólito,  bastava-te um casebre;
filhos ranhosos, maltrapilhos, uma mulher igual a ti, 
sem nenhuma ambição, resignada à  sua condição 
de pobreza extrema, sem queixumes nem lamúrias. 
José, sempre  prestaste   vassalagem aos ricos e poderosos. 
Dava-te gozo e satisfação ser servo, um humilde escravo 
do patrão.
PN 
 Foto : NET




2 comentários:

Fá menor disse...

Tantos(as) Josés neste mundo...

Gostei deste teu grito!

Bjinhos

Jaime Portela disse...

Quase nem os vemos, mas os Josés andam por aí...
Um magnífico poema, parabéns.
Bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.