quinta-feira, 21 de junho de 2018

Tenho notado que passamos grande parte do tempo a olhar,a notar, a verificar,  a criticar, a ficarmos  chocados com o que se passa em casa do vizinho, enquanto esquecemos que outras aberrações se passam mesmo dentro da nossa própria casa e às vezes, somos mesmo os protagonistas principais desse terrível desequilíbrio  mas, se alguém nos alerta para isso , sacudimos logo a água do capote e aquela pessoa passa a ser nossa inimiga. 

PN

Glenn Brown - Pintura distorcida

4 comentários:

Jaime Portela disse...

Já dizia a minha avó que o argueiro no olho do outro se vê muito melhor...
E Mateus, no evangelho, pergunta, por que vês o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que tens no teu?
E eu, baralhado com a foto, pergunto-te se sou eu que estou de pernas para o ar... é que a mim parece-me ser a foto que está invertida...
Bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.

Manuel Luis disse...

As vezes os quadros estão de pernas para o ar mas vou logo tentar resolver isso. No outro dia aconteceu com a minha vizinha ao descer as escadas, chamei o 112. Uma boa acção por dia fica bem e faz bem.
Virado para o vale dos lençóis, deixo um bj.

Fá menor disse...

Tantas vezes é quase quase isso!...

Boa semana, amiga! Não de pernas para o ar, nem em bicos de pés... mas de pés bem assentes no chão, ou seja, com a devida humildade que nos é requerida.

Beijinhos.

Ana Freire disse...

E talvez seja por isso, que cada vez relativizo mais as opiniões alheias... e já não me canso tanto a julgar, os demais... pois sobre o que quer que seja, que opinemos ou critiquemos... nunca estaremos a par de todos os factos, e circunstâncias de algo... por muito que achemos que sim...
Nascemos cheios de certezas... e morremos cheios de dúvidas... e se eu tivesse feito isto? E se aquilo não me tivesse acontecido?... Se fosse hoje, agiria da mesma forma, com este aquele e o outro?... E por aí fora...
Vivemos num mundo ao contrário... e quando finalmente aprendemos a caminhar e realmente a pensar, por nós mesmos... esgotou-se o nosso tempo!... Dá mesmo que pensar!
Beijinho
Ana